Ouro lidera ranking de investimentos em 2010

A crise internacional e a consequente procura dos investidores por ativos mais seguros fizeram com que as aplicações em ouro superassem todas as outras em 2010. O metal acumulou rentabilidade de 32,26% no ano, contra desempenho quase nulo do indice Bovespa, que ficou em 1,04% - abaixo até da caderneta de poupança que terminou o ano com rentabilidade de 6,81%.

AE, Agencia Estado

31 de dezembro de 2010 | 08h00

"Havia uma expectativa de que esse seria um ano de rearranjo na economia mundial, mas os países não saíram da crise", explica o consultor financeiro Fábio Gallo. "Com os mercados instáveis, há uma corrida de investidores para ativos reais, que se comportam como o ouro."

Em dezembro, o metal encerrou com baixa de 3,53% - a primeira desvalorização desde fevereiro. "O ouro atua como um porto seguro em época de crise", diz o consultor financeiro Mauro Calil. "Para o ano que vem, acho pouco provável que ele suba mais." Mas há ainda quem aposte no metal, caso as economias americana e europeia não deem sinal de recuperação. "Embora com pouca liquidez, pode ser uma boa alternativa para diversificação da carteira", diz o administrador de investimentos Fábio Colombo.

Não há estatísticas oficiais sobre o mercado de ouro no Brasil, mas corretoras estimam que só durante este ano essa modalidade de investimento movimentou algo em torno de R$ 3 bilhões. Na BM&FBovespa, o contrato mínimo a ser negociado é de 250 gramas, no valor de R$ 20 mil, em dezembro.

Depois do ouro, o segundo melhor investimento em 2010 foram os fundos da Vale com recursos do FGTS: a rentabilidade foi de 15,37%. "A mineradora começou o ano com uma performance mediana, mas as boas notícias vindas da China no primeiro quadrimestre reverteram a tendência de baixa, com o aumento na demanda por minério de ferro no mundo inteiro", explica Calil.

Já os fundos da Petrobras ocuparam o último lugar no ranking dos investimentos, com desvalorização de 29,88%, em consequência do desfecho da megacapitalização realizada pela estatal em setembro. A demora do governo em esclarecer as regras do pré-sal gerou insegurança entre os investidores. Ontem, no último pregão do ano, a bolsa brasileira encerrou o dia com variação positiva de 0,51% e 69.304 pontos. O ano fechou em 1,04% - uma oscilação bem diferente da registrada no fim de 2009, quando a Bovespa aparecia, com folga, como o investimento mais interessante: alta de 82,6% naquela ocasião. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
investimentosrankingouroBovespaVale

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.