Ouro tem quinta queda seguida com alívio sobre Ucrânia

Os contratos futuros do ouro negociados na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fecharam em queda pela quinta sessão consecutiva, no menor patamar em quatro meses. Ganhos recentes nos mercados de ações e o alívio das tensões na Ucrânia afastam investidores do metal precioso.

Agencia Estado

30 de maio de 2014 | 16h05

O contrato de ouro mais negociado, com entrega para agosto, perdeu US$ 11,10 (0,9%), encerrando a US$ 1.246,00 a onça-troy, menor fechamento desde 31 de janeiro, de acordo com dados da FactSet. Na semana, os preços acumularam baixa de 3,5% e, no mês, de 3,9% - as maiores quedas semanais e mensais de 2014.

O metal precioso, considerado um refúgio em tempos de riscos políticos e econômicos elevados, se beneficiaram do pior impasse entre Ocidente e Rússia desde o fim da Guerra Fria. O ouro avançou 16% entre o início do ano e 17 de março, quando a crise na Ucrânia se intensificou. Desde então, os preços têm caído, com investidores enxergando o conflito cada vez mais com algo regional, sem possibilidade de ultrapassar as fronteiras da Ucrânia. Essa visão foi fortalecida esta semana, depois que o novo presidente eleito da Ucrânia, Petro Poroshenko, despertou esperanças de uma resolução do embate entre Kiev e Moscou. Com as tensões políticas perdendo força e os mercados acionários atingindo máximas recorde, investidores aproveitaram para vender o metal.

"Esta semana, foi uma combinação das eleições ucranianas indo bem, assim como a quebra de novos recordes históricos do S&P (500) que enviaram os futuros de ouro para mínimas que não eram vistas desde o início de fevereiro", disse o analista Tyler Richey, do 7:00s Report. "Daqui para frente, a inflação continua sendo o principal catalisador e, embora existam sinais de que ela está saindo do piso (não só nos EU como em nível global), isso ainda não será o suficiente para iniciar um rali de ouro."

Os dados sobre consumo de hoje também contribuíram para uma perspectiva de demanda fraca pelo metal precioso, o que pesou sobre as cotações. Os gastos com consumo pessoal caíram 0,1% nos Estados Unidos em abril ante março, primeiro recuo em um ano. Além disso, o índice de confiança do consumidor no país, medido por Reuters/Universidade de Michigan, caiu para 81,9 em maio, de 84,1 no fim da abril, abaixo da expectativa dos analistas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.