PAC inclui prevê investimentos de R$ 171 bi da Petrobras

O Plano de Aceleração do Crescimento do Brasil (PAC), lançado hoje pelo Governo Federal, inclui 183 projetos do Plano Estratégico da Petrobras e seus parceiros, informou a estatal em nota enviada à imprensa. No total, os investimentos nestes projetos representam, até 2010, R$ 171,7 bilhões provenientes da companhia. Segundo a nota, são premissas do PAC para o setor, em consonância com as metas da companhia, "garantir, no longo prazo, a auto-suficiência sustentada do Brasil em petróleo, com produção mínima 20% acima do consumo nacional, relação reserva e produção mínima de 15 anos e aumento da produção de óleos leves".A Petrobras informou ainda que faz parte de seus planos "ampliar e modernizar o parque de refino, aumentando a participação do óleo nacional na carga processada e melhorando a qualidade dos derivados".Outro ponto destacado pela estatal é a intenção de acelerar a produção e a oferta de gás nacional, além de assegurar a liderança do Brasil na área de biocombustíveis.A nota da Petrobras lembra também a importância de destaque do Plangás (Plano de Desenvolvimento do Setor de Gás) no país, que tem como meta ampliar a produção dos atuais 15,8 milhões de metros cúbicos para 40 milhões metros cúbicos por dia no final de 2008 e 55 milhões metros cúbicos por dia no final de 2010. Entre os projetos do Plangás destaca-se o desenvolvimento do Campo de Mexilhão, localizado na Bacia de Santos, e que vai produzir 15 milhões de metros cúbicos de gás por dia, a partir de 2009, com investimentos de R$ 4,4 bilhões. Outro aspecto destacado no Plangás na nota divulgada pela estatal é o desenvolvimento do Campo de Golfinho, situado no mar do Espírito Santo, e que terá capacidade para produzir 100 mil barris de petróleo e 3,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia, por meio de um navio plataforma, já a partir do primeiro trimestre de 2007, com investimentos de R$ 2 bilhões.Entre os investimentos estruturantes citados ainda no PAC, está a construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), maior obra individual já realizada pela Petrobras, com investimentos totais de R$ 21 bilhões (R$ 8,2 bilhões até 2010), em parceria com sócios privados, com capacidade para processar 150 mil barris por dia de petróleo pesado brasileiro. O empreendimento será formado por uma Unidade de Produção de Petroquímicos Básicos (UPB) e por seis unidades petroquímicas de segunda geração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.