Pagamento de ágio reduz lucro do Unibanco a R$ 1,75 bi

O Unibanco registrou lucro líquido de R$ 2,21 bilhões em 2006, o que representa um crescimento de 20,2% em relação ao ano anterior. Esse resultado não considera a amortização de ágios no terceiro trimestre, quando a instituição decidiu acelerar o processo de dez para cinco anos.No relatório que acompanha o balanço anual, o banco informou que o impacto da operação no ano foi de R$ 460 milhões. Os créditos tributários referentes à amortização extraordinária foram integralmente absorvidos pela constituição de provisões adicionais.Desta forma, o lucro contábil, que incorpora o evento extraordinário, apresentou uma queda de 4,8% no ano passado, para R$ 1,75 bilhão.A rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROAE, na sigla em inglês) do banco antes da amortização de ágio cresceu de 21,1%, em 2005, para 22,4% no ano passado. Na mesma base de comparação, e o retorno sobre o ativo médio subiu de 2,1% para 2,3%.No quarto trimestre, o Unibanco teve lucro de R$ 576 milhões, com alta de 13,2% em relação ao mesmo período de 2005. O retorno anualizado sobre o patrimônio médio no período, por sua vez, alcançou 25,8%.O resultado da intermediação financeira cresceu 17,8% no ano passado, para R$ 9,719 bilhões. O banco atribui o aumento ao crescimento do volume de crédito e à melhora do mix de captação nos últimos 12 meses. A provisão para perdas com créditos subiu 31,2% no ano, para R$ 2,498 bilhões.O Unibanco alcançou R$ 104 bilhões em ativos totais em 31 de dezembro de 2006, alta de 13% em relação ao encerramento de 2005. Na mesma data, o patrimônio líquido da instituição era de R$ 9,921 bilhões (+6,4%). Os dados são consolidados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.