Pão de Açúcar aposta em TVs e tecnologia no Natal

Os eletroeletrônicos, principalmente os televisores de plasma e os produtos de maior tecnologia, são a maior aposta do Grupo Pão de Açúcar para o Natal. "A encomenda foi cerca de cinco vezes maior do que no mesmo período do ano passado. Os preços das novas tecnologias caíram e houve um aumento grande da demanda", diz a diretora comercial de eletroeletrônicos do grupo, Rita Bellizia.A expectativa é de um crescimento de 56% em relação ao Natal de 2005, na comparação das mesmas lojas. "Mais uma vez, prevê, teremos um Natal das tevês de tela plana, plasma e LCD. Os preços caíram muito em torno de 60% no caso das tevês de plasma e de 50% em laptops." Ela lembra que um televisor deste tipo de 42 polegadas que custava R$ 11 mil no ano passado, este ano, na promoção que a rede está fazendo, sai por R$ 3.900.A expectativa é recuperar vendas perdidas de televisores após a derrota do Brasil na Copa do Mundo e trazer uma camada das classes de menor poder aquisitivo para o consumo, com a queda dos preços. "A cada R$ 500 de redução de preços trago uma camada grande de consumidores para a loja, interessados em produtos que no ano passado não tinham acesso", diz Rita Bellizia.A negociação antecipada com fornecedores deve trazer para a rede um aumento de vendas de 30% na área de não-alimentos. Em DVDs, a previsão é de um crescimento de 65%, em câmeras digitais de 80%. Mas a maior expectativa de desempenho da rede está concentrada nos notebooks, que devem ter crescimento de até 400% em relação a igual período no ano passado.O crescimento de vendas, acredita, deve ser estimulado a partir de hoje com uma campanha de ofertas agressivas na rede Extra.Os itens importados também vão marcar presença no Natal deste ano no Pão de Açúcar. A expectativa é que todos os produtos relacionados às festas de fim de ano e outros que não tenham similares no Brasil apresentem crescimento de até 300% nos próximos três anos.O Wal-Mart, concorrente do Pão de Açúcar, divulgou ontem apenas sua expectativa para a venda de alimentos no Natal. A previsão da rede é de crescimento de 15% em relação a igual período em 2005.Disputa de promoções começouNa disputa pelo consumidor e diante de um cenário de vendas abaixo do esperado, os hipermercados, na mesma tendência dos shoppings, também começam a investir na estratégia de antecipação do Natal.O Extra, do grupo Pão de Açúcar, abre hoje uma campanha de ofertas com duração de três dias e possibilidade de início de pagamento em 2007. As 79 lojas da rede permanecerão abertas 24 horas, de hoje a domingo, com descontos de até 70% em produtos que são foco de atenção do consumidor nessa época do ano. "É uma maratona de 72 horas. Em 2005 permanecemos abertos 24 horas 10 dias antes do Natal. Este ano resolvemos antecipar as vendas", diz o diretor do Extra, Luís Carlos Costa.O desempenho dos supermercados está fraco. No acumulado de janeiro a agosto as vendas estão com queda de 2,73% ante igual período em 2005, segundo a Abras, entidade do setor."Teremos até ofertas especiais de madrugada, enquanto o concorrente dorme", provoca Costa. A expectativa é de elevar em 30% a venda média em relação ao fim de semana normal. Os concorrentes devem entrar na briga em breve. O Wal-Mart anunciou ontem que ampliou o leque de produtos parcelados em até 12 vezes sem juros.

Agencia Estado,

27 de outubro de 2006 | 10h57

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.