Pedir bloqueio de bens de Eike é descabido,diz advogado

O pedido de arresto de bens de Eike Batista e de familiares do empresário, feito à Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF), é considerado descabido pelo advogado Sérgio Bermudes, que coordena a defesa do empresário. A medida foi solicitada na denúncia enviada à Justiça e que acusa o fundador do grupo X de crimes contra o mercado de capitais.

MARIANA DURÃO, Estadão Conteúdo

13 de setembro de 2014 | 12h57

Segundo Bermudes, não há fundamento legal para o pedido porque não houve tentativa de escamotear os bens, mas apenas doações de bens feitas por meio de escritura pública. "O Ministério Público está vendo chifre em cabeça de cavalo", diz.

Ele destaca que os três imóveis mencionados no pedido - uma casa em Angra dos Reis, uma casa e um apartamento na zona sul carioca que somam R$ 25 milhões - têm valor muito pequeno em comparação ao suposto prejuízo causado ao mercado por Eike, calculado pelos procuradores em R$ 1,5 bilhão.

O pedido de arresto menciona Thor e Olin Batista, filhos de Eike, e sua mulher, Flávia Sampaio. Para o MPF as doações configuram uma "manobra fraudulenta" do empresário para evitar que seus bens sejam alvo de medidas judiciais.

Tudo o que sabemos sobre:
JustiçaMPFEike Batistabensdenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.