Pequenas empresas do varejo lucram mais

As grandes empresas do comércio faturam mais, porém as pequenas e médias são mais rentáveis. Essa é uma das principais conclusões de um estudo nacional feito pela Serasa com base nos balanços de cerca de 10 mil empresas de capital aberto (com ações negociadas em bolsas) e fechado.De acordo com o levantamento, o faturamento das maiores empresas do setor teve crescimento médio real de 8,8% no primeiro semestre, em relação a igual período de 2005, descontada a inflação. Nas pequenas e médias, o aumento médio foi de 2,7%. São classificadas como grandes as empresas com faturamento líquido anual superior a R$ 50 milhões.A rentabilidade das grandes ficou em 2,2% do faturamento líquido, enquanto nas pequenas e médias essa proporção atingiu 3,7%. No ano passado, a margem de lucro das grandes foi de 1,9% e a das pequenas e médias, de 3,6%.Técnicos da Serasa explicam que historicamente as grandes empresas apresentam taxas de crescimento de vendas superiores, pois conseguem criar promoções e liquidações com facilidade, ao contrário das pequenas e médias, cujas estruturas financeiras são bem mais frágeis.De outro lado, as mesmas promoções e liquidações que resultam em aumento de faturamento, aliadas à pressão da concorrência, contribuem para reduzir a margem de lucro nas grandes empresas, o que não ocorre nas pequenas e médias. Além disso, a melhora das margens no primeiro semestre, principalmente no caso das pequenas e médias, pode ser justificada em parte pela combinação de baixa variação dos preços no atacado com elevação no varejo.A pesquisa também confirmou que a venda de bens de consumo duráveis puxou o crescimento do varejo no primeiro semestre, período marcado pela Copa do Mundo. As vendas de automóveis, televisores e outros equipamentos foi favorecida pela melhora das condições de consumo, uma vez que tanto a massa de rendimento do trabalho quanto as condições de crédito mantiveram comportamento positivo.Os bens não duráveis, como alimentos e produtos de limpeza doméstica, tiveram alta moderada. Entre os duráveis, o comércio de veículos e peças teve crescimento de 10% nas grandes empresas e de 3,9% nas pequenas e médias. A evolução das vendas de alimentos ficou abaixo da média geral.Nas grandes redes de supermercados, o aumento foi de 3,5%, puxado pelas promoções e vendas de produtos não alimentícios. Para o pequeno varejo, o incremento foi de 1,3%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.