Perdigão e Batávia são multadas por órgão ambiental em R$ 2 mi cada

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) aplicou multa de R$ 2 milhões para a unidade da Perdigão e no mesmo valor para a Batávia, em Carambeí, na região dos Campos Gerais do Paraná, a cerca de 130 quilômetros de Curitiba. Elas são acusadas de despejarem no Rio São João os líquidos resultantes do processo de produção sem o devido tratamento. A estação de tratamento foi embargada. As duas empresas alimentícias têm 30 dias para recorrer da decisão.De acordo com a chefe do escritório regional do IAP em Ponta Grossa, Elma Romanó, as duas empresas - recentemente a Perdigão adquiriu 60% do controle acionário da Batávia - já vinham utilizando, por meio de um consórcio, uma única estação de tratamento dos efluentes. Há dois anos, vinham sendo avisadas pelo IAP de que a capacidade estava esgotada e foi pedido que se adequassem às exigências ambientais."Agora o IAP fez uma fiscalização e detectou emissão em desconformidade com os parâmetros ambientais vigentes", afirmou. Segundo ela, foi observado inclusive que há uma saída clandestina. "O material está saindo direto, sem passar pela estação. O que passa sai sem a qualidade desejável." As águas do Rio São João não são utilizadas para o abastecimento público, mas são muito usadas pelos agricultores para regar plantas e saciar a sede de animais.A direção da Batávia não quis se pronunciar sobre a autuação. A assessoria de imprensa da Perdigão informou que a empresa está apurando as acusações do IAP para fazer a defesa. Segundo o IAP, caso o problema não seja corrigido em 30 dias, a multa de R$ 2 milhões para cada empresa passa a ser diária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.