Perspectiva para ALL é mantida com compra de Brasil Ferrovias

A compra de trechos da concessão da Brasil Ferrovias não muda as perspectivas de ganho para as ações da América Latina Logística (ALL). A avaliação é do banco de investimentos Merrill Lynch. Em relatório distribuído aos clientes, os analistas Felipe Leal e Ken Hoexter mantiveram a recomendação de compra para os papéis da ALL, com preço alvo de R$ 150 por Unit (título que corresponde a quatro ações preferenciais e a uma ordinária da companhia). O banco considerou positiva a iniciativa da empresa. A ALL confirmou que fez a oferta para a Nova Brasil Ferrovias e Novoeste Brasil, mas não detalhou a proposta. Os analistas do Merrill Lynch comentam que a MRS Logística não apresentou oferta, fato considerado positivo para a ALL, já que reduz a competição. A aquisição, segundo os analistas, traria ganhos de eficiência para a ALL. Ainda segundo o relatório do banco, a ALL terá como competidores na compra da Novoeste (trecho da Brasil Ferrovias entre Bauru e Corumbá) as seguintes empresas: a Ferrocarrill Oriental da Bolívia, controlada por um grupo americano, a trading coreana Asila e mais um terceiro grupo não identificado. A Bunge pretende entrar como parceira da ALL no acordo. Segundo o Merrill Lynch, os acionistas da Brasil Ferrovias vão analisar as propostas e discutir a venda das ações, o que pode necessitar de negociação. O banco estima uma conclusão do processo no segundo trimestre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.