Peso da AL cai no índice de mercados emergentes MSCI

O peso da América Latina vai cair no índice de fundos de mercados emergentes do Morgan Stanley Capital International (MSCI) a partir de 31 de maio, como resultado de uma revisão anual feita hoje. De acordo com o UBS Investment Research, o peso da América Latina vai cair em 56 pontos base. O Brasil vai perder 13 pontos base, enquanto o México vai cair 35 pontos base. Nove companhias latino-americanas foram retiradas do índice, entre elas a brasileira Contax Participações, a fabricante de cimentos mexicana Vitro SA e a distribuidora de eletricidade peruana Luz del Sur. Além delas, todas as ações venezuelanas serão retiradas e apenas o país permanecerá no índice. O MSCI já havia informado que isso iria ocorrer, por causa da iliquidez e dos controles que restringem o investimento no país. Entre as adições ao índice estarão as brasileiras TAM SA, Gerdau, Cosan e Lojas Renner, o argentino Banco Macro Bansud e as mexicanas Homex e Empresas ICA. Segundo o UBS, a alteração levará à saída de US$ 2,6 bilhões de fundos que usam o MSCI. O estrategista de mercados emergentes globais do UBS, Darren Read, no entanto, descartou que haverá um impacto negativo imediato da decisão. Ele destacou que o tamanho dos fundos dedicados a emergentes segue crescendo e que os fundamentos da América Latina continuam melhorando. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.