Petrobrás confirma captação de US$ 6 bilhões em bônus

É a primeira operação do tipo feita pela estatal em 2011, ano no qual pretende buscar no mercado entre US$ 15 bilhões e US$ 16 bilhões, para financiar seu plano de investimentos

Nicola Pamplona, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 09h01

A Petrobrás confirmou no final da noite de ontem a captação de US$ 6 bilhões no mercado internacional, por meio da emissão de três tipos de bônus com vencimentos em 5, 10 e 30 anos. Foi a primeira operação do tipo feita pela estatal em 2011, ano no qual pretende buscar no mercado entre US$ 15 bilhões e US$ 16 bilhões, para financiar seu plano de investimentos.

Coordenada pelos bancos BTG Pactual, Citigroup, HSBC, Itaú BBA, JPMorgan e Santander, a emissão de bônus pela estatal foi a terceira operação anunciada ontem por empresas brasileiras. Mais cedo, durante o dia, Energisa e Safra já haviam comunicado ao mercado captações de US$ 200 milhões e US$ 500 milhões, respectivamente.

A operação da Petrobrás foi dividida em três etapas. A primeira, de US$ 2,5 bilhões em bônus de cinco anos, garante ao comprador uma taxa de retorno de 3,95%; a segunda, de mesmo valor, mas com prazo de dez anos, tem taxa de retorno de 5,401%; e os papéis mais longos, de 30 anos, dão retorno de 6,806%. Os spreads (diferença)  ficaram entre 190 a 220 pontos-base acima dos títulos do Tesouro norte-americano, mais baixos que captações recentes de empresas brasileiras.

Segundo a estatal a operação será concluída no dia 27 de janeiro. Os bônus receberam a classificação de risco BBB da agência Fitch. Segundo a companhia, os recursos captados serão utilizados para o financiamento dos investimentos previstos no Plano de Negócios 2010-2014, orçado em US$ 224 bilhões.

Em nota oficial, a empresa disse que mantém, após a operação, "a estrutura adequada de capital e o grau de alavancagem financeira (relação entre dívida e patrimônio) em linha com as metas da companhia". Até o processo de capitalização concluído em setembro do ano passado, a estatal estava em seu limite de alavancagem, impedida de fazer novas captações.

Em entrevista concedida no final do ano passado, o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, informou que a meta de captações para este ano gira em torno de US$ 15 bilhões a US$ 16 bilhões, volume equivalente ao captado em 2010. O plano de investimentos prevê captações de US$ 60 bilhões até 2014. O plano, porém, é revisto anualmente e pode vir com valores maiores na versão 2011.

Isso porque o plano atual não prevê os investimentos na exploração dos 5 bilhões de barris de petróleo do pré-sal comprados pela companhia no processo de capitalização, em uma operação chamada de cessão onerosa. São reservas no entorno do polo do pré-sal na Bacia de Santos, onde está o campo de Lula (ex-Tupi), que devem ser avaliadas até meados da década, com a perfuração de uma série de poços exploratórios.

Segundo o comunicado distribuído pela Petrobrás na noite de ontem, os bancos Credit Agricole Securities e Mitsubishi colaboraram na emissão dos bônus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.