Petrobras Energía está em busca de novos campos na Argentina

A Petrobras Energía Participaciones está em busca de novas áreas de exploração de petróleo na Argentina, tanto em terra quanto em águas profundas, como meio de melhorar o portfólio de campos desenvolvidos obtido em 2002, afirmou à Dow Jones o diretor de exploração e produção da empresa, Carlos Pereira de Oliveira.Entre as possibilidades, a subsidiária argentina da Petrobras espera conseguir com a estatal argentina Enarsa, até o final de junho, uma segunda concessão para exploração de petróleo em águas profundas. Oliveira não deu detalhes sobre o acordo, mas disse que, provavelmente, incluiria a Repsol-YPF.O executivo afirmou que a companhia quer obter mais concessões, que começam agora a ser abertas pela primeira vez desde que, em 2002, ela comprou a Perez Companc e entrou no mercado argentino. "Alguns dizem que faltam incentivos ou que os preços poderiam ser melhores, mas não podemos dizer isso porque não controlamos áreas de concessão. Por isso, estamos em busca de áreas que possamos explorar." A Petrobras também negocia com a Fomicruz - estatal de petróleo da província de Santa Cruz, de olho no desenvolvimento das áreas de Glencross e Estância Chiripa - áreas que contêm, aproximadamente, 26 bilhões de metros cúbicos de gás natural e que poderiam produzir 6 milhões de metros cúbicos diários com investimento de US$ 420 milhões, de acordo com relatos da mídia local. O executivo da Petrobras Energía espera fechar um acordo relativo a estes campos no final de julho.No início deste ano, a empresa e a Repsol anunciaram a primeira concessão da Enarsa, que envolve o bloco E-1, formalmente conhecido como CAA 44 e CAA 7, localizados em Mar del Plata. Repsol e Enarsa têm, cada uma, 35% de participação no consórcio E-1, a Petrobras tem 25% e a Petrouruguay, 5%. O consórcio quer iniciar a pesquisa sísmica no segundo semestre. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

08 de junho de 2006 | 13h51

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.