Petrobras estréia no mundo virtual do jogo Second Life

A Petrobras fez hoje sua estréia no mundo virtual do jogo Second Life com casa cheia, fila na porta, e uma inusitada platéia interativa e pra lá de colorida. Um homem com capa vermelha, outro com estilo punk, uma rastafari japonesa e até mulher pelada se acotovelaram em fila de espera por um lugar dentro do auditório lotado para assistir a primeira palestra feita pela empresa dentro do ambiente do jogo. "Foi bárbaro", resume o palestrante Ricardo Pomeranz, que falou por cerca de 40 minutos sobre "Tecnologia deixando de ser ficção".A palestra foi realizada - na vida real - no estande montado pela Petrobras "Proxxima 2007 - Encontro Internacional de Comunicação Digital", que acontece até amanhã em São Paulo.Principal patrocinadora do evento, a estatal inovou ao transmitir a palestra simultaneamente pela internet por meio do jogo Second Life, que está virando febre em todo o mundo, com cerca de quatro milhões de cadastrados, movimentando aproximadamente US$ 1,5 milhão por dia e prestes a ganhar uma versão exclusivamente brasileira.O jogo simula a vida real em ilhas , com prédios, ruas, avenidas, shoppings, cassinos, praias e pessoas que representam os conectados. O visual de cada ambiente ou dos avatares - habitantes virtuais do Second Life - fica a cargo dos usuários, o que permite abusar da criatividade e do exotismo, ou destacar marcas e logotipos. NegóciosNo caso da Petrobras, o auditório para aproximadamente 40 pessoas tem visual despojado, com atendentes trajando figurinos futuristas e o logo da empresa estampado não só nas paredes, mas também flutuando sobre o local. Sim, é possível sobrevoar a área, voar sobre a cabeça das pessoas ou para outras regiões, tudo com um clique."Não dá para ignorar um novo canal de comunicação. E estamos estudando como aproveitar este canal da melhor maneira possível, primeiro para fixar a marca e depois para fazer negócios dentro da área de combustíveis que é onde a Petrobras atua", considerou a gerente de multimeios da estatal, Patrícia Fraga.Segundo ela, a estatal já vem preparando uma campanha mais agressiva para atuar no Second life, a exemplo de multinacionais ligadas ao comércio como Wal Mart, Mc Donald's, ou amazon.com, para quando for lançada a versão brasileira. "Por enquanto, as ações da empresa dentro do mundo virtual ainda vão ocorrer esporadicamente, sem um cronograma específico e voltadas apenas para o marketing", comentou.A própria "construção" do ambiente virtual da Petrobras ainda não custou nada aos cofres da empresa, ao contrário dos usuários comuns que têm que desembolsar variadas quantias para ter o direito de fazer algo mais jogo do que apenas passear e conversar com outros usuários conectados em todo o mundo. "A construção do auditório está num contrato de marketing já fechado pela Petrobras anteriormente e que incluiu também esta estratégia", explicou Patrícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.