Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Petrobras fará captação de R$ 200 mi até final de junho

A Petrobras realiza até o final de junho captação no mercado nacional no valor de R$ 200 milhões. O montante é relativo à construção de um dique seco (área para construção e manutenção de plataformas fora da água) no Rio Grande do Sul. O projeto todo vai custar US$ 150 milhões e o estaleiro Rio Grande, administrado pelo grupo Wtorre, responsável pela realização da obra, investirá o restante no dique. O estaleiro foi o vencedor de licitação realizada pela Rio Bravo para escolher o local e o empreendedor para a obra. O dique seco terá 130 metros por 140 metros e boca de cerca de 125 metros. A primeira plataforma a ser construída no espaço será a P-55, cuja licitação está em andamento. Com isso, a Petrobras espera não utilizar mais o espaço de estaleiros no exterior e reduzir o custo e tempo das obras. A estrutura financeira do projeto é inédita em encomendas industriais da Petrobras e foi trazida de um modelo montado no ano passado para a construção de imóveis administrativos da estatal em Macaé. Pelo modelo, a Rio Bravo (escolhida em licitação realizada pela empresa no ano passado) realiza o processo licitatório e depois aluga o espaço para a Petrobras. Os recursos para pagar o empreendimento são captados no mercado a partir da formação de um Fundo de Investimentos Imobiliários (FII), que negocia os recebíveis do arrendamento do espaço para a Petrobras. A idéia é que os recursos cubram parte dos investimentos. A outra parte receberá investimentos do próprio construtor, que será o dono do espaço ao final dos 10 anos de arrendamento exclusivo da Petrobras. Nas propostas financeiras apresentadas à Rio Bravo, os concorrentes definiram não somente os custos da obra, mas sua participação porcentual no investimento.

Agencia Estado,

19 de maio de 2006 | 16h20

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.