Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Petrobrás ganha R$ 29 bi de valor de mercado em um dia

Ações da estatal subiram 10% nesta quarta-feira, na esteira do aumento das cotações do petróleo no mercado internacional

Fernanda Nunes, Denise Luna e Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 04h00

A tensão entre os Estados Unidos e o Irã contribuiu para aumentar o valor da Petrobrás em R$ 29 bilhões num único dia. Com a disparada no preço do petróleo, o valor de mercado da companhia bateu o segundo recorde consecutivo e alcançou a cifra de R$ 341,4 bilhões. As ações da petroleira, que nesta quarta-feira subiram 10,02% (as ordinárias, com direito a voto), não oscilavam tanto desde 18 de maio do ano passado, quando o mercado financeiro castigou os papéis das estatais após virem à tona as gravações do sócio do JBS, Joesley Batista, com o presidente Michel Temer.

+ Petrobrás atinge R$ 312,5 bi, maior valor de mercado da sua história

Os contratos futuros de petróleo encerraram a sessão desta quarta-feira, 09, no maior nível dos últimos três anos e meio, apoiados pela decisão dos Estados Unidos de se retirarem do acordo nuclear internacional com o Irã. Além disso, os volumes de óleo cru, gasolina e destilados apresentaram baixa na semana passada em solo americano, o que ajudou a impulsionar os preços da commodity. O petróleo tipo Brent fechou em alta de 3,15%, aos US$ 77,21 o barril. Já o petróleo WTI subiu 3,01%, para US$ 71,14 o barril.

Para Edmar Almeida, professor do Grupo de Economia da Energia da UFRJ (GEE-UFRJ), o petróleo em alta significa para a Petrobrás mais dinheiro em caixa para investir em projetos e para negociar melhores condições de pagamento da dívida, o que é positivo. Ele diz, no entanto, que para aproveitar a oportunidade a empresa vai ter de repassar esse avanço de preços aos seus clientes. 

+ Petrobrás tem lucro de R$ 6,9 bilhões no 1º trimestre, 56% maior do que o ano passado

A perspectiva é de que a cotação do petróleo se mantenha em um patamar elevado, na casa dos US$ 70 por barril, daqui para frente, de acordo com os especialistas. “Bombardeios na Síria, que é passagem estratégica para o setor de petróleo; a tensão entre Estados Unidos e Irã; o adiamento do IPO (abertura de capital) da Saudi Aramco para 2019, tudo isso deve manter o preço em alta. Não tem como esperar queda de petróleo nesse cenário”, afirmou Fernanda Delgado, pesquisadora da FGV Energia.

Durante a apresentação dos resultados do primeiro trimestre, o diretor financeiro da Petrobrás, Ivan Monteiro, ressaltou que fatores geopolíticos têm influenciado bastante o comportamento do preço do petróleo e derivados. “Essa componente explica boa parte do que a gente vive de avanço no resultado”, afirmou. Nesta semana, a Petrobrás anunciou lucro de R$ 6,9 bilhões de janeiro a março, desempenho 56% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. 

+ Após acordo, diretoria e conselho da Petrobrás devem aprovar cessão onerosa

Caixa. Procurada, a petroleira não quis comentar os efeitos da alta da cotação em seu caixa. Mas no evento, Monteiro ressaltou que o Brent tem impacto direto nas exportações, preços nas refinarias e comércio de gás natural, o que provoca um efeito benéfico na receita de venda. “Mas tem também como consequência a redução do lucro bruto com o aumento das participações governamentais (compensações financeiras aos governos).” 

Para Pedro Galdi, analista da Mirae Corretora, a alta das ações era mais do que esperada depois que a Petrobrás demonstrou poder de recuperação. “A Petrobrás é a bola da vez e o cenário ajuda. Ela tem ativos e está desinvestindo onde não tem retorno para investir onde dá lucro. As coisas começam a dar certo pra ela”, avaliou.

Mais conteúdo sobre:
Petrobráspetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.