Petrobras impulsiona Bovespa, que retoma 52 mil pontos

Ibovespa tem valorização de 1,23%, aos 52.351 pontos; Petrobras PN salta 4,09% e ON ganha 3,28%

Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado,

05 de setembro de 2013 | 18h17

A alta consistente das ações da Petrobras e a trégua na pressão externa garantiram alívio à Bovespa na sessão desta quinta-feira, 5, permitindo uma recuperação de preços das principais ações do índice, que retornou ao patamar dos 52 mil pontos. A melhora do ânimo no mercado doméstico foi engatilhada pelo avanço dos papéis da estatal, enquanto, nos Estados Unidos, indicadores positivos acabaram se sobressaindo e sustentando a alta das Bolsas em Nova York, embora permaneçam no radar a tensão envolvendo um possível ataque militar norte-americano à Síria e a iminente retirada dos estímulos fiscais por parte do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA).

O Ibovespa encerrou com valorização de 1,23%, aos 52.351,86 pontos, após embalar em trajetória ascendente pouco depois das 13 horas. Na mínima, de manhã, recuou 0,89%, aos 51.256 pontos, enquanto na máxima foi aos 52.498 pontos, em alta de 1,51%. O giro financeiro somou R$ 9,047 bilhões (dado preliminar). No mês, acumula alta de 4,68% e, no ano, desvalorização de 14,11%.

"A alta da Petrobras, em função do peso no índice, aciona um clima melhor na Bovespa e o mercado se retroalimenta. O exterior também deu uma acalmada e o mercado busca novos patamares de preço", afirmou o gerente de renda variável da H. Commcor, Ari Santos. Dos 73 papéis que compõem a carteira teórica do Ibovespa, 17 fecharam no vermelho.

As ações ON e PN da petrolífera subiram 3,28% e 4,09%, respectivamente, impulsionadas por um conjunto de fatores. Segundo informou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o principal motivo para o avanço seriam comentários sobre a criação de uma possível conta-petróleo, a exemplo da Ecopetrol, na Colômbia, que reajusta preços mensalmente conforme a variação no mercado internacional.

A desaceleração do dólar, que recuou 1,44% ante o real neste pregão, cotado a R$ 2,322, também beneficiou a companhia, já que uma taxa de câmbio mais baixa reduz os custos com importação.

Além disso, mais cedo, a Petrobras informou ter encontrado indícios de petróleo em um poço em terra no Canto do Amaro, em Mossoró, no Rio Grande do Norte, um dos maiores campos do Brasil em terra.

As ações ON da OGX, que pressionaram para baixo o Ibovespa em quase toda a sessão, terminaram estáveis. Os principais papéis da Vale encerraram em direções opostas, com os ON em leve queda de 0,03% e os PNA com avanço de 0,53%.

Entre as principais altas do Ibovespa ficaram Sabesp ON (+10,63%), Gol PN (+7,53%), TIM ON (+4,49%) e Duratex ON (+4,34%).

Na outra ponta, lideraram as perdas do índice Gerdau Metalúrgica PN (-2,95%), PDG Realty (-2,54%), Gerdau PN (-2,35%), Usiminas ON (-2,03%) e Usiminas PNA (-1,54%).

Em Wall Street, o índice Dow Jones registrou alta de 0,04%, o S&P 500 subiu 0,12% e o Nasdaq avançou 0,27%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.