Petrobras inicia obras do gasoduto Urucu-Manaus a custo de US$ 1 bi

A Petrobras iniciou hoje a obra do gasoduto Urucu-Manaus, que levará o gás natural da província petrolífera de Urucu, no município de Coari (AM), até a capital amazonense. No total o gasoduto deverá consumir investimentos de mais de US$ 1 bilhão, sendo que metade deste valor já foi aplicada no local para a aquisição dos tubos entre 2004 e 2005.O gasoduto Urucu - Manaus é composto por três trechos. O primeiro deles, o trecho A, é o GLPduto Urucu-Coari, que será realizado pelo consórcio OAS/Etesco, por aproximadamente R$ 342,6 milhões. O segundo trecho, B-1, ligando gasoduto Coari a Anamã, ainda está em fase final de negociação, depois de ter tido a licitação cancelada por preço excessivo, e não tem executor nem preço definidos. A previsão é de que as propostas financeiras sejam abertas agora em junho. No terceiro trecho Anamã-Manaus, o gasoduto será construído pelo Consórcio Camargo Correa/Skanska, por um valor aproximado de R$ 428 milhões.O gasoduto Urucu-Manaus terá 670 quilômetros de extensão e sua conclusão está prevista para março de 2008. A obra será responsável pela geração de aproximadamente 3.400 empregos diretos e 10 mil indiretos. Em sua primeira fase de operação, o gasoduto vai transportar 4,7 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. O principal destino do insumo será a produção de energia elétrica, em termelétricas, para atender Manaus e os municípios pelos quais passará a tubulação, beneficiando cerca de 1,5 milhão de pessoas.O gás natural substituirá o diesel e o óleo combustível usados atualmente na produção de toda a energia elétrica consumida pelo Amazonas. A substituição proporcionará uma economia anual de R$ 1,2 bilhão - não só aos cidadãos do Amazonas, mas também a todos os consumidores de energia em território nacional, já que são eles que subsidiam, por meio da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), a energia daquela região.A Petrobras extrai petróleo em Urucu desde 1988. O gás natural produzido ali, associado ao óleo, é novamente injetado nos campos para otimizar a produção de petróleo, e vem sendo armazenado no próprio reservatório para futuro aproveitamento no mercado. Atualmente, há apenas um duto que leva gás liquefeito de petróleo (GLP) da base de produção, em Urucu, até Coari. Um duto paralelo a este, com 285 quilômetros de extensão, será construído para escoar o GLP (GLPduto), enquanto que o antigo duto passará a transportar o gás natural.No trecho seguinte, entre Coari e Manaus, o gasoduto terá 385quilômetros, totalizando 670 quilômetros entre Urucu e Manaus. Outros 125 quilômetros de dutos serão construídos para levar o produto às sedes dos municípios de Coari, Codajás, Anori, Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, que estão no trajeto do gasoduto. A obra proporcionará o recolhimento de cerca de R$ 50 milhões em tributos aos cofres das prefeituras locais, além de uma receita adicional em royalties para o estado do Amazonas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.