Petrobras: novo contrato na Bolívia garante remuneração

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, afirmou esta tarde que o acordo firmado entre a estatal e o governo boliviano garante "remuneração à companhia". Depois de enumerar em apresentação à imprensa as diferenças entre o contrato anterior e o atual, assinado na madrugada do domingo, Gabrielli informou que as novas regras "não prejudicam a empresa, mas sim permitem uma remuneração de 15% sobre as operações de exploração e produção de suas reservas"."A rentabilidade é atraente, porque nossos investimentos já foram depreciados e amortizados", disse Gabrielli na apresentação. InvestimentosA estatal em nenhum momento se comprometeu a fazer novos investimentos na Bolívia, disse Gabrielli. "Não há uma linha no novo contrato assinado com o governo boliviano que tenha compromissos de novos investimentos, que não para garantir a manutenção da produção", afirmou.Segundo ele, entretanto, o novo contrato cria "uma situação regulatória estável" para que os projetos de investimentos na Bolívia possam voltar a ser analisados. "Depois que o contrato for validado no Congresso Nacional boliviano podemos voltar a estudar, caso a caso, cada investimento, cada projeto que havia sido feito. Mas, por enquanto, nada está sendo pensado nesta linha", afirmou.A apresentação à imprensa das diferenças entre os contratos acontece nesta tarde na sede da empresa no Rio. Participam também da apresentação o diretor internacional da estatal, Nestor Cerveró, o gerente da Petrobras para o Cone Sul, Décio Odone, e o presidente da Petrobras Bolívia, José Fernandes Freitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.