Petrobras: oscilação nas ações está no limite "normal"

As oscilações dos preços das ações da Petrobras nos últimos dias estão dentro dos limites considerados "normais" pelo gerente-executivo de relações com investidores da companhia, Raul Campos. "Todas as empresas de petróleo sofrem impactos com as mudanças nos preços do petróleo. Algumas mais outras menos, dependendo da sua forma de negócios. A Exxon, por exemplo, produz cerca de 2 milhões de barris de petróleo por dia, refina em média cinco milhões e vende 8 milhões e algumas vezes a empresa tira proveito nas mudanças rápidas de preços. Nós comercializamos praticamente o mesmo nível que produzimos, pouco abaixo de 2 milhões de barris/dia e o impacto é diferente", disse Campos em palestra no seminário organizado pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) na PUC-Rio. "Considerando esses fatores, as mudanças nas últimas semanas estão em linha com as outras empresas que atuam no setor no mercado mundial", complementou Campos. Ele não quis fazer comentários sobre a tendência de preços dos papéis da petroleira a curto prazo, mas reiterou que a empresa continua com planos ambiciosos de aumento da produção para os próximos anos. "Quem olha o horizonte de longo prazo, tem de considerar outros parâmetros", alertou. Campos disse que a Petrobras ainda não recomprou papéis no mercado, conforme o plano aprovado pelo Conselho de Administração da empresa, em dezembro passado. Na ocasião, a empresa divulgou um plano de recomprar até 91,5 milhões de ações preferenciais, pois considerava que os preços das ações estavam em níveis convidativos aos investidores. Desde então, os papéis da empresa caíram cerca de 15%, passando da faixa de quase R$ 50 para os R$ 41/R$ 42 atuais. "Quando efetuarmos esses compras vamos informar direitinho ao mercado", disse Campos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.