Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Petrobrás se recupera e Bolsa fecha na máxima

Ibovespa subiu 0,83%, para 52.032,38 pontos; papel ordinário da estatal subiu 1,53% e preferencial, 1,81%

Clarissa Mangueira, Agência Estado

03 de junho de 2014 | 18h51

SÃO PAULO - A Bovespa terminou na máxima da sessão nesta terça-feira, estendendo os ganhos do dia anterior, mas dessa vez impulsionada pelas ações da Petrobrás. O resultado da bolsa brasileira contrariou a queda registrada pelas bolsas internacionais, que foram pressionadas por um movimento de correção após terem registrado máximas recentemente. A sessão foi marcada pelo giro fraco de negócios, que totalizou R$ 4,992 bilhões, segundo dados preliminares.

No término do pregão, o Ibovespa subiu 0,83%, para 52.032,38 pontos, na máxima do dia. Na mínima, registrou 51.377 pontos (-0,44%). No ano, a bolsa acumula alta de 1,02% e no mês, ganho de 1,55%.

Entres os destaques de alta da sessão estavam as ações da Petrobrás, que subiram 1,92% (ON) e 1,81% (PN). Segundo o sócio-gestor da Cultinvest Asset Management, Walter Mendes, a alta das ações da estatal reflete dados positivos da balança comercial. "Houve uma redução das importações de derivados no acumulado dos primeiros cinco meses do ano, ao mesmo tempo que houve aumento das exportações de petróleo", avaliou. 

Operadores lembraram ainda que o papel da companhia tem andado muito em cima do cenário político e que está prevista para esse semana nova pesquisa da DataFolha. 

As ações da Gerdau também terminaram em alta, de 2,42%, ajudadas por dados econômicos favoráveis nos EUA, entre eles as vendas fortes das montadoras no mês de maio. 

Na mão contrária, as ações da Vale recuaram 1,00% (ON) e 1,07% (PN), devolvendo parte dos ganhos registrados na sessão anterior. Operadores citaram dados divulgados na China, que mostraram que o índice dos gerentes de compras (PMI) industrial, medido pelo HSBC, subiu para 49,4 em maio, de 48,1 em abril, mas ficou abaixo da leitura preliminar, que sugeria avanço a 49,7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.