Petrobrás sobe e garante quarta alta seguida do Ibovespa

Bolsa fecha sessão com variação positiva de 0,03%, aos 47.393,50 pontos, mas no mês acumula perdas de 0,51% e, no ano, de 7,99%

Claudia Violante, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2014 | 17h36

A Bovespa teve um pregão bastante volátil nesta segunda-feira. À tarde, porém, as ações da Petrobrás, que também vinham titubeando, se firmaram em elevação e garantiram o pequeno avanço do Ibovespa no fechamento.

Assim, o principal índice à vista da Bolsa terminou com variação positiva de 0,03%, aos 47.393,50 pontos, no quarto fechamento seguido em alta. Na mínima, registrou 46.991 pontos (-0,82%) e, na máxima, em 47.539 pontos (+0,33%). No mês, acumula perdas de 0,51% e, no ano, de 7,99%. O giro financeiro totalizou R$ 5,264 bilhões.

Petrobrás passou a subir com firmeza à tarde, em meio a rumores no mercado de que a empresa possa conseguir um reajuste dos combustíveis. A estatal divulga amanhã o balanço do quarto trimestre de 2013. O boato pode ter surgido, segundo um profissional, porque, quando divulgou os números do terceiro trimestre, a estatal anunciou a proposta de uma fórmula de gatilho para os reajustes. "O mercado acabou passando por cima do balanço e as ações subiram. Agora, surge a expectativa de que algo saia amanhã também", destacou o profissional lembrando que a fórmula de gatilho, no final, nunca foi conhecida.

Cálculos da LCA divulgados nesta segunda-feira, 24, indicam que a defasagem dos preços da gasolina e do diesel vendidos pela Petrobrás nas refinarias em relação ao mercado internacional em fevereiro está em 17% e 16,1%, respectivamente. De acordo com o estudo, mesmo após reajuste concedido aos combustíveis, a desvalorização do real manteve elevada a diferença entre os preços externo e interno. Petrobrás ON fechou em alta de 1,79% e a PN, de 2,47%.

Vale, por outro lado, recuou 2,72% na ON e 2,78% na PNA. A empresa divulga na próxima quarta-feira o balanço, mas o desempenho negativo de hoje foi atribuído à queda recente do preço do minério de ferro e também a notícias sobre o mercado imobiliário chinês.

Gerdau PN subiu 2,89%, depois que o BofA Merrill Lynch elevou sua recomendação para os papéis de neutro para compra, com preço-alvo de R$ 20,00. Metalúrgica Gerdau PN avançou 2,81%. Usiminas PNA caiu 2,11% e CSN ON perdeu 1,59%.

All ON disparou 8,90% e liderou as altas do Ibovespa, com a confirmação da fusão entre a empresa de logística e a Rumo, controlada da Cosan, e detalhamento da proposta.

Além da puxada dada pela Petrobrás, a alta da Bovespa foi possível pelo comportamento bastante firme das bolsas norte-americanas, que ignoraram os indicadores fracos conhecidos hoje. O Dow Jones operava em alta de 0,96%, o S&P, de 0,91%, e o Nasdaq, de 0,89%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.