Petroleiros protestam contra proposta da Petrobras

Um grupo de cerca de 300 petroleiros fez um protesto na porta do edifício-sede da Petrobras, no Centro do Rio, contra a proposta de repactuação de termos do plano de previdência privada dos funcionários, o Plano Petros. Representantes de vários sindicatos regionais petroleiros do País aproveitaram o horário de saída para o almoço para discursar e repudiaram o acordo firmado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) com a direção da Petrobras. Com cartazes e palavras de ordem, os sindicalistas classificaram os dirigentes da FUP de pelegos e acusaram a direção da Petrobras de tentar subtrair direitos adquiridos dos participantes do fundo de pensão da empresa. Entre as principais discordâncias da categoria está o estabelecimento do IPCA como índice de reajuste de aposentadorias, desvinculando-as dos aumentos dos funcionários da ativa. Os petroleiros também discordam do montante de R$ 4,5 bilhões da dívida judicial da empresa com a Petros, que a Petrobras informou estar disposta a assumir. Para eles, o valor é de R$ 9,3 bilhões.Alguns manifestantes queimaram um dos kits distribuídos pela empresa convidando os participantes do fundo a aderir ao acordo. Emanuel Cancella, secretário-geral do Sindicato dos Petroleiros do Rio, estima que mais de 50% dos participantes da Petros rejeitarão o acordo, que para ser válido precisa da adesão de 95%.

Agencia Estado,

03 de agosto de 2006 | 15h43

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.