Petróleo acima de US$ 61 pressiona Bolsas de NY

O petróleo acima de US$ 61 o barril e o desempenho negativo da Microsoft pesam sobre o mercado acionário em Wall Street, num dia marcado por alguma realização dos lucros recentes e pela ausência de indicadores econômicos. Às 13h53 (de Brasília), o índice Dow Jones recuava 0,39%, o Nasdaq estava em baixa de 0,62% e o S&P 500 caía 0,48%. As ações da Microsoft, componentes do Dow Jones e listadas também no Nasdaq, estavam em queda de 1,2%, reagindo à decisão, ontem à noite, de um tribunal da Califórnia, nos Estados Unidos, que condenou a empresa a pagar US$ 1,52 bilhão à Alcatel-Lucent por violação de patentes da companhia franco-americana. Segundo o tribunal, a Microsoft violou duas patentes da Alcatel-Lucent ao usar o formato MP3 para tocar música digital em seu Windows Media Player. A Microsoft disse que vai recorrer da sentença. A decisão abre caminho para que a Alcatel-Lucent processe outras fabricantes de produtos para arquivos MP3, como a Apple. O petróleo atingiu a máxima em oito semanas, mantendo os ganhos após o anúncio, ontem, de quedas nos estoques de produtos como óleo de calefação e gasolina, em meio aos problemas em oleodutos e refinarias nos EUA. Nas últimas quatro semanas, os estoques do produto norte-americano recuaram 8%. Os operadores ainda ressaltam como fatores para a alta do petróleo a paralisação por tempo indeterminado da refinaria McKee, da Valero Energy, com capacidade de 158 mil barris/dia no Texas, uma redução no processamento da refinaria Bayton, da Exxon Mobil, também no Texas, e as previsões de temperaturas abaixo do normal no nordeste dos EUA, que responde pela maior parte da demanda por óleo de calefação no país. Às 13h51 (de Brasília), na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato para abril do WTI estava em alta de 1,31%, em US$ 61,75. Em Londres, na ICE eletrônica, o Brent para abril era negociado com elevação de 1,58%, em US$ 61,57. A virtual eliminação do diferencial de preços entre o Brent e o WTI, que no início da semana estava cerca de US$ 1,00 acima do Brent, é apontada como sinal da preocupação com a oferta apertada do petróleo na Europa. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.