Petróleo amplia queda após relatórios de estoques

Os contratos futuros de petróleo ampliam a queda, após a divulgação dos relatórios de estoques da commodities e derivados na semana passada nos Estados Unidos. Na Nymex eletrônica, em Nova York, os contratos de petróleo para agosto recuavam 0,88%, para US$ 74,55 o barril, perto do meio-dia. Naquele mesmo horário, o contrato para agosto da gasolina era negociado em baixa de 1,29%, a US$ 2,2465 por galão. Na ICE Futures Exchange, em Londres, o petróleo tipo Brent para agosto caía 0,82%, para US$ 73,40 por barril. Os estoques norte-americanos de petróleo diminuíram 2,4 milhões de barris na semana que terminou em 30 de junho, em comparação à semana anterior, para 341,3 milhões de barris, informou o Departamento de Energia (DOE). O Instituto Americano de Petróleo (API) calculou uma baixa de 2,555 milhões de barris nos estoques de petróleo bruto. A retração superou a queda de 1,5 milhão de barris prevista pelos economistas consultados pela agência Dow Jones. No relatório do DOE, os estoques de gasolina subiram 700 mil barris na semana passada em relação a anterior, para 213,1 milhões de barris. O levantamento do API trouxe uma redução de 796 mil barris. Os analistas previam queda de 1,5 milhão de barris. As questões geopolíticas, no entanto, podem limitar vendas mais agressivas do complexo de energia. Ontem, o petróleo fechou em novo nível recorde de US$ 75,19 o barril, reagindo aos testes militares conduzidos pela Coréia da Norte, que ampliaram a incerteza sobre as questões geopolíticas. O Irã também continua provocando apreensão. Representantes do alto escalão do governo do Irã e negociadores da União Européia se encontram, informalmente, hoje à noite, para discutirem a resposta de Teerã ao pacote de incentivos proposto por países do Ocidente para que a nação interrompa seu programa de enriquecimento de urânio. Representantes dos dois blocos voltarão a se encontrar na terça-feira, em Bruxelas, quando farão uma reunião formal sobre o assunto. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.