Petróleo Brent atinge US$ 111,25 com tensão na Líbia

Em Nova York, petróleo alcançou a máxima de US$ 100 por barril pela primeira vez desde 2 de outubro de 2008

Renato Martins, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2011 | 18h25

Os contratos futuros de petróleo com vencimento mais próximo alcançaram hoje a máxima de US$ 100 por barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) pela primeira vez desde 2 de outubro de 2008. Os preços voltaram a subir em reação ao noticiário sobre a revolução contra o regime de Muamar Kadafi e interrupções na produção de petróleo da Líbia.

O preço do petróleo Brent, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), já havia passado dos US$ 100 em janeiro e também fechou em alta. O diferencial entre os preços nas duas bolsas ampliou-se novamente, para mais de US$ 13 por barril.

As notícias sobre confrontos violentos entre forças contra e a favor de Kadafi continuaram a chegar; o levante está ganhando contornos de uma guerra civil e várias empresas de petróleo, entre elas a italiana Eni, a espanhola Repsol YPF e a alemã Wintershall, anunciaram a suspensão de suas operações na Líbia.

Segundo o economista Ethan Harris, do Bank of America, cada US$ 10 de elevação nos preços do petróleo retira de 0,25 a 0,50 ponto porcentual do PIB dos EUA. "Você começa a se preocupar com um choque do tipo recessivo à medida que o preço se aproxima do recorde", disse Harris. O preço recorde para o petróleo na Nymex foi de US$ 147 por barril, no terceiro trimestre de 2008.

Na Nymex, os contratos de petróleo para abril fecharam a US$ 98,10 por barril, em alta de US$ 2,68 (2,81%); durante os negócios, a mínima foi de US$ 95,14 e a máxima, de US$ 100,00. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para abril fecharam a US$ 111,25 por barril, em alta de US$ 5,47 (5,17%), com mínima em US$ 105,97 e máxima em US$ 111,85. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymexBrentLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.