Petróleo cai 0,33%, a US$ 73,12, à espera de Bernanke

O petróleo futuro opera em leve queda sob efeito da revisão do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre dos Estados Unidos e à espera do discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke.

LIGIA SANCHEZ, Agencia Estado

27 de agosto de 2010 | 10h46

Investidores estavam cautelosos em alterar muito o preço em qualquer direção antes de Bernanke, que deve falar a partir das 11h (de Brasília). Seus comentários serão acompanhados pelos investidores, que buscam pistas sobre o entendimento do Fed da força da economia, assim como de qualquer eventual ação que o banco central possa tomar para impulsionar o mercado.

Às 10h52 (de Brasília), os contratos futuros do petróleo com entrega para outubro negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) operavam em queda de 0,33%, em US$ 73,12 por barril. O petróleo tipo Brent para outubro negociado na plataforma ICE estava em alta de 0,39%, em US$ 75,31 por barril.

O PIB norte-americano do segundo trimestre foi revisado em baixa, como era esperado, mas para um crescimento superior à média prevista pelos economistas ouvidos pela Agência Dow Jones. De acordo com o Departamento do Comércio, a economia dos EUA expandiu-se à taxa anualizada de 1,6% no período entre abril e junho. No cálculo anterior, divulgado há um mês, o governo havia estimado uma expansão anualizada de 2,4%, após crescimento de 3,7% no primeiro trimestre.

O petróleo registrou ganhos nos dois últimos dias, depois que o preço caiu para perto de US$ 70 por barril no intraday da quarta-feira, o piso da faixa de negociação deste ano.

Mas mesmo durante o rali de dois dias, analistas alertam que os números da oferta e demanda do petróleo não estão fortes o suficiente para sustentar o aumento de preço. Os estoques de petróleo e gás dos Estados Unidos estão em seus níveis mais altos dos últimos 27 anos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilFEdBen Bernanke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.