Petróleo cai 1,12% em Nova York, após relatórios

Os contratos futuros de petróleo aprofundam a queda, reagindo aos relatórios de estoques do produto e derivados na semana passada nos Estados Unidos que, no geral, foram negativos para que os fundos e investidores mantivessem suas compras. O contrato para junho cai 1,12%, para US$ 68,85 por barril, na bolsa de Nova York, embora já tenha se recuperado da mínima atingida após o relatório. Na ICE Futures Exchange, o tipo Brent para julho - que se tornou o mais líquido após o vencimento do contrato de junho ontem - retrocedia 0,80%, para US$ 69,51 por barril. "O relatório ficou relativamente em linha com as projeções e, talvez, o mercado esperasse algo pior", declarou um operador. O Departamento de Energia dos EUA informou que os estoques de gasolina subiram 1,3 milhão de barris, um volume levemente inferior ao crescimento de 1,6 milhão de barris previsto por analistas. Os estoques de petróleo caíram 100 mil barris, enquanto os analistas previam um declínio mais aprofundado de 400 mil barris. O relatório trouxe dois pontos negativos, mas, por ora, não prevalecem como orientadores dos futuros de petróleo. Os estoques de derivados diminuíram 100 mil barris, contrariando a previsão média de aumento de 900 mil. Para completar, a taxa de utilização da capacidade das refinarias recuou de 90,2% para 89,8%, enquanto a previsão era de aumento de 0,6 ponto porcentual. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.