Petróleo cai a US$ 99,20 em NY com impasse nos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda, pressionados pelos receios sobre a elevação do limite de endividamento dos Estados Unidos. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato de petróleo para setembro fechou em queda de US$ 0,67 (-0,67%), a US$ 99,20 o barril. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent fechou em baixa de US$ 0,73 (-0,61%), a US$ 117,94 o barril.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

25 de julho de 2011 | 16h53

Republicanos e democratas estão formulando propostas divergentes sobre como elevar o limite de endividamento do governo dos EUA, antes do prazo final de 2 de agosto. No fim de semana as negociações entre os dois partidos fracassaram. Se o teto da dívida não for elevado, o governo americano não será capaz de pagar todas as suas contas e corre o risco de entrar em default.

No curto prazo, a não elevação do limite de endividamento provavelmente faria com que os investidores se livrassem de ativos de risco, como commodities, por conta dos receios de que isso poderia dificultar a recuperação econômica dos EUA, que são os maiores consumidores de petróleo do mundo, dizem os analistas. As três principais agências de classificação de risco ameaçaram cortar o rating AAA dos EUA - o que poderia elevar o custo do financiamento - se o teto da dívida não for elevado a tempo.

Apesar dos receios, a queda moderada do petróleo hoje sugere que a maioria dos participantes do mercado ainda acredita que os legisladores americanos vão encontrar uma solução, afirma o analista Dominick Chirichella, do Energy Managament Institute.

Mesmo com a queda de hoje, o petróleo na Nymex já subiu 8,6% este ano, impulsionado pelo forte crescimento de países emergentes, como a China. Ainda assim, a perspectiva de novos problemas econômicos nos EUA ainda é motivo de preocupação para muitos traders, enquanto a crise da dívida soberana na Europa também impede os preços de voltarem ao nível de US$ 115 o barril, alcançado este ano.

Ao mesmo tempo em que a não elevação do teto da dívida pode prejudicar a economia dos EUA, isso pode enfraquecer o dólar. A desvalorização da moeda norte-americana geralmente impulsiona os preços do petróleo, já que torna a commodity mais barata para compradores que usam outras moedas. "Se eles não conseguirem elevar o teto da dívida, eu acho que isso será muito bom para o petróleo, no longo prazo", afirma Phil Flynn, analista da PFG Best. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymexBrent

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.