Petróleo cai abaixo de US$ 58 com comentário saudita

O petróleo atingiu a mínima de US$ 57,80 em Nova York após comentários do ministro saudita indicando que um corte na produção do produto da Arábia Saudita é improvável. Os preços já haviam eliminado a leve alta do início da manhã depois que o nível de estoques dos EUA mostraram inesperado aumento. Às 12h20 (de Brasília), o contrato para novembro estava em queda de 1,12%, em US$ 58,03. O objetivo da Arábia Saudita é deixar os preços em "níveis razoáveis" para servir como um colchão ao golpe dos custos de energia mais altos nas nações desenvolvidas, disse o embaixador saudita nos EUA. Durante evento no Centro de Estudos Internacionais e Estratégicos em Washington, o chanceler saudita Saud al-Faisal disse que não espera que a Opep realize uma reunião de emergência para discutir a recente queda nos preços antes do próximo encontro marcado para 14 de dezembro em Abuja, na Nigéria. "A Arábia Saudita sempre teve em mente não apenas os grandes consumidores, mas, mais importante, também os países mais pobres", disse. "Nossa preocupação é trazer os preços para níveis razoáveis", acrescentou. Segundo um operador, os comentários, os primeiros da Arábia Saudita após a recente e drástica queda nos preços do petróleo, parecem indicar "que eles não se importam se os preços caírem mais US$ 5 ou US$ 10". As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.