Petróleo cai ao menor nível do ano em NY, a US$ 62,05

O petróleo segue em rota de queda, com o contrato de outubro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) no menor nível do ano, a US$ 62,05 o barril, na mínima do dia. Às 13h11 (de Brasília), o contrato de outubro caía 1,14% para US$ 62,50 o barril na Nymex. É a primeira vez desde março que o contrato opera abaixo de US$ 63,00. A queda faz parte de movimento em que o mercado ingressou há mais de um mês, quando os preços estavam em níveis históricos de alta, a US$ 77,00 o barril. O grande impulsionador das vendas tem sido a percepção de que o mercado está bem abastecido, especialmente frente a um noticiário que só confirma tal sensação. As férias de verão, quando o consumo de gasolina é maior, acabaram; os estoques de petróleo, gasolina e derivados norte-americanos se encontram acima da média em cinco anos; e, ao mesmo tempo, as projeções para a demanda têm sido constantemente revisadas em baixa. Hoje, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cortou sua previsão de demanda para 2006 em 200 mil barris em comparação às contas feitas no mês passado, para 28,9 milhões de barris ao dia. O cartel disse prever uma demanda média de 28,1 milhões de barris ao dia em 2007, 800 milhões de barris abaixo do consumo médio diário esperado para 2006. A revisão segue-se às realizadas nesta semana pelo Departamento de Energia dos EUA e pela Agência Internacional de Energia. Irã Ainda, as negociações entre o Irã e o Ocidente, em relação ao programa de enriquecimento de urânio do país, parecem bem conduzidas. O chefe da política externa da União Européia, Javier Solana, insistiu que as negociações para convencer o Irã a colocar seu programa nuclear em linha com as demandas internacionais estão correndo bem. "Estamos realmente fazendo progressos", disse. "Nunca tivemos um nível de compromisso como temos agora". Ele disse que espera realizar um novo encontro com o principal negociador do Irã, Ali Larijani, nos próximos dias. A onda de vendas resistiu às informações de que suicidas tentaram atacar duas instalações de petróleo no Iêmen, um incidente que teria provocado maior tração de compra em um mercado altista. "O ambiente é certamente de venda", disse o analista Phil Flynn, da corretora Alaron Trading Corp, em Chicago. As informações são da Dow Jones e das agências internacionais.

Agencia Estado,

15 de setembro de 2006 | 13h22

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.