Petróleo cai após 3 sessões consecutivas de alta

Os contratos futuros de petróleo para entrega em dezembro negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam nesta terça-feira, 29, em baixa de US$ 0,48 (0,49%), a USS$ 98,20 por barril. É a primeira queda após três dias seguidos de alta da commodity, que ainda é vendida abaixo de US$ 100.

Agencia Estado

29 de outubro de 2013 | 18h17

Na plataforma eletrônica ICE, o petróleo tipo Brent para dezembro fechou em queda de US$ 0,60 (0,6%), a US$ 109,01 por barril.

O mercado espera a divulgação dos novos dados de estoques de petróleo bruto. Às 18h30 (horário de Brasília), o Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) divulga o relatório da semana até 25 de outubro. Segundo estimativas, a previsão é que os estoques de petróleo cresçam 3,5 milhões de barris.

Os contratos futuros operaram em baixa durante todo o dia após a intensificação das tensões no Oriente Médio. Na Líbia, a produção caiu abaixo de 300 mil barris por dia após alguns membros de tribos forçarem a interrupção do maior campo de petróleo do país, que pertence à estatal National Oil Corp.

Trabalhadores do campo petrolífero de Sharara - que responde por cerca de 20% da produção no país - fecharam as instalações devido a ameaças de nômades do deserto. Além disso, um novo pico de violência no Iraque no último fim de semana, com a explosão de vários carros-bomba, influenciaram o mercado.

A previsão é que a commodity se recupere nas próximas semanas com a expectativa de que as refinarias demandem mais petróleo bruto, segundo analistas. Nesta época do ano, as refinarias normalmente têm demanda menor por petróleo por causa de atividades de manutenção, mas é provável que o volume refinado cresça no próximo mês.

"Os fundamentos dos mercados de petróleo vão dar mais sustentação aos preços nas próximas semanas (meados de novembro)", disseram analistas do Nordea Bank em nota a clientes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.