Petróleo cai após fala de ministro da Arábia Saudita

Os contratos futuros de petróleo negociados nas plataformas eletrônicas da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e da ICE Futures, em Londres, reverteram a direção verificada mais cedo e zeraram os ganhos em reação aos comentários do ministro de petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, de que seu país não está considerando um encontro de emergência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), segundo operadores. "Se a Arábia Saudita não está interessada em um encontro, então, há poucas chances deste ocorrer", disse um operador. "Os outros podem gritar tudo o que quiserem, mas a Arábia Saudita é o maior produtor" e é o que tem mais peso, acrescentou. Depois de uma reação inicial para baixo, os contratos de petróleo para fevereiro recuaram das mínimas intraday (registradas durante o dia) e oscilaram alguns minutos perto dos níveis de fechamento, antes de cederem definitivamente à nova pressão de venda do mercado. Às 9h55 (de Brasília), na Nymex, os contratos de petróleo WTI para fevereiro estavam a US$ 52,72 por barril, queda de 0,15%. No mesmo horário em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo tipo Brent para fevereiro, que vencem no final do dia, estavam a US$ 53,08 por barril, recuo de 0,08%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.