Petróleo cai após máximas da semana passada

O contrato do petróleo em Nova York, que subiu em 13 das 18 últimas sessões, e o do Brent, que avançou em 8 das 10 últimas sessões, recuaram das máximas recentes por causa, principalmente, da produção elevada dos Estados Unidos e dos números da economia chinesa

Agência Estado,

26 de julho de 2013 | 09h27

Os contratos futuros do petróleo operam nesta sexta-feira em queda em Londres, enquanto uma pequena correção continua na sequência das máximas em muitos meses observadas na semana passada. O contrato do petróleo em Nova York, que subiu em 13 das 18 últimas sessões, e o do Brent, que avançou em 8 das 10 últimas sessões, recuaram das máximas recentes por causa, principalmente, da produção elevada dos Estados Unidos e dos números da economia chinesa. 

Por outro lado, o apoio para os níveis atuais - os dois contratos foram negociados num intervalo de US$ 10 desde o início de julho - veio de quatro semanas consecutivas de queda dos estoques nos EUA e da interrupção da oferta no Oriente Médio, Norte da África e Mar do Norte. Sinalizando uma mudança no sentimento, os preços não conseguiram lucrar com os fatores tradicionais como o dólar, ou dados econômicos bons da Europa e dos EUA, disseram analistas do Commerzbank em nota a clientes. Às 7h25 (de Brasília), o contrato do petróleo Brent para setembro recuava 0,40%, para 107,22 o barril, na plataforma ICE, em Londres. O contrato do petróleo para setembro na New York Mercantile Exchange (Nymex) caía 0,69%, para US$ 104,77 o barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.