Petróleo cai com esperança de cessar-fogo no Oriente

Os futuros de petróleo caíram forte em Londres e Nova York, em meio à agitação de esforços diplomáticos para colocar fim aos combates entre Israel e o Hezbollah, segundo operadores e analistas. Com o conflito armado na região completando seis dias, aumentaram os pedidos de cessar-fogo, mas Israel disse que só vai parar a ofensiva contra o Hezbollah se a milícia se retirar da fronteira Líbano/Israel e libertar os dois soldados israelenses. Os líderes mundiais pediram a intervenção de uma força internacional para parar os combates na fronteira do Líbano com Israel e a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, se prepara para viajar para a região. Os esforços diplomáticos aclamaram o mercado, que começou a subir na semana passada em meio aos temores de uma guerra regional e a possibilidade de interrupção na oferta de petróleo da região. "O mercado está ouvindo todas aquelas notícias de diplomacia e achando que as coisas podem ser consertadas", disse Bill O'Grady, analista da corretora A.G. Edwards em St. Louis. "Se a guerra permanecer contida, o mercado de petróleo não deverá ficar tão forte", acrescentou. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para agosto fecharam a US$ 75,30 o barril, queda de US$ 1,73 (2,25%). A mínima foi de US$ 75,25 e a máxima de US$ 76,75. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 75,92 o barril, queda de US$ 1,66. A mínima foi de US$ 75,70 e a máxima de US$ 78,18. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.