Petróleo cai mais, após novos comentários de ministro

Os contratos futuros de petróleo Brent despencaram para seu menor nível de preço em mais de 19 meses nesta manhã em Londres, enquanto nas transações eletrônicas da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), a cotação do petróleo WTI caiu abaixo de US$ 51,00 por barril, ambos pressionados pela percepção de chances cada vez mais remotas de uma intervenção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no curto prazo. O mercado, que já vinha sofrendo com os comentários, ontem, do ministro de Petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, de que não via necessidade de uma reunião de emergência do cartel, voltou a receber pressão de baixa adicional do mesmo ministro, que reiterou esta manhã que o mercado de petróleo está numa "condição bastante saudável". Os novos comentários de Naimi mais uma vez vêem na contramão de declarações dadas pela Venezuela, que sugeriu que a Opep ainda considera realizar uma reunião extra para discutir cortes adicionais na oferta. "Tem sido uma guerra de palavras, com a Venezuela tentando impulsionar os preços para cima e a Arábia Saudita jogando água no fogo", disse um operador em Londres. Às 10h48 (de Brasília), na plataforma ICE Futures de Londres, os contratos de petróleo Brent para março estavam cotados a US$ 51,32, queda de 0,58%. No mesmo horário, no sistema eletrônico Nymex/Globex, os contratos de petróleo WTI estavam a US$ 50,68 por barril, queda de 1,03%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.