Petróleo cai mais de 1% com declaração Saudita

Os contratos futuros do petróleo caem mais de 1% nesta manhã, com vendas técnicas motivadas pela incapacidade do contrato negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) manter-se acima dos US$ 60,00 o barril como na sexta-feira. A expectativa de que os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mantenham os níveis atuais de produção, diante às declarações feitas pelo Ministro do Petróleo da Arábia Saudita no fim de semana, também causa pressão sobre os preços. "Muito provavelmente, se a tendência atual for mantida, com o mercado assumindo uma condição muito mais saudável e equilibrada, não deverá haver qualquer razão para mudança", disse o ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi. O próximo encontro da Opep acontece em 15 de março. Às 9h42 (de Brasília), o contrato de março do petróleo negociado no pregão eletrônico da Nymex caía 1,60% para US$ 58,92 o barril. Na plataforma ICE, de Londres, o contrato de mesmo vencimento operava em baixa de 1,76% a US$ 57,97 o barril. Mas investidores ainda vêem vários fatores sustentado os preços, como a perspectiva de temperaturas abaixo do normal nos EUA pelo menos até o final da semana que vem. A demanda chinesa também continua aquecida. As importações de petróleo pela China atingiram recorde de alta em janeiro (13,69 milhões de toneladas métricas, alta de 3,5% ante janeiro de 2006), com os baixos preços do petróleo motivando as refinarias a incrementar seus estoques antes do feriado do Ano Novo Lunar e o governo a rechear suas reservas estratégicas. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.