Petróleo cai pelo 2º dia e fecha a US$ 61,59 em NY

O petróleo caiu pelo segundo pregão consecutivo, com uma série de fatores alimentando o movimento. O contrato de abril do petróleo negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) caiu US$ 0,83 (1,33%) e fechou em US$ 61,59 o barril, depois de oscilar entre US$ 61,10 o barril na mínima e US$ 62,50 o barril na máxima. A queda nos preços foi provocada pelas indicações da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de que manterá as cotas de produção inalteradas, pela promessa da Nigéria de restaurar a produção do país, pelas previsões dos analistas de novo aumento nas reservas norte-americanas e pela decisão do Irã de suspender seu programa de enriquecimento de urânio. O presidente da Opep, Edmund Doukoru, disse em Viena, onde acontece amanhã a reunião do grupo, que os ministros concordaram em manter a produção próxima à capacidade máxima, em conseqüência da crescente ameaça aos níveis globais de abastecimento. "Há muitas questões geopolíticas neste momento, então concordamos em manter o teto de produção do grupo, para monitorar os eventos", disse. Historicamente, a Opep reduz sua produção durante o segundo trimestre, em conseqüência de queda sazonal na demanda, mas como os preços encontram-se acima de US$ 60 o barril e a ameaça ao abastecimento é constante, em conseqüência de conflitos geopolíticos, os países consumidores pressionam os produtores para que mantenham sua oferta. Paralelamente, o presidente da Opep, que também é ministro do petróleo da Nigéria, disse que o país pretende retomar os níveis normais de sua produção em duas semanas, A Nigéria está com sua produção reduzida em 455 mil barris ao dia, 20% do total, por conta de ataques promovidos contra instalações das companhias estrangeiras no Delta do Níger. O Irã concordou em suspender seu programa de enriquecimento parcial, mas não total, de urânio, por até dois anos. Embora os EUA tenham rejeitado tal proposta, há um processo em curso, para resolver a questão sem que se chegue aos extremos, disse um analista. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.