Petróleo cai pressionado por relatório da API

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda, pressionados por expectativas de que as exportações da Líbia sejam retomadas em breve e por cautela antes da divulgação de dados sobre a economia da China. A expectativa com a publicação do relatório semanal do American Petroleum Institute (API)também pesou sobre os preços da commodity, já que a previsão é de um aumento dos estoques nos EUA.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

15 de abril de 2014 | 19h57

Notícias sobre um acordo fechado entre o governo da Líbia e forças rebeldes que ocupavam terminais de petróleo no leste do país desde meados do ano passado foram tomadas como sinal de que o debilitado setor petrolífero líbio está a caminho de uma recuperação - o que significa um retorno ao mercado da commodity produzida ali.

Outro fator negativo para os preços do petróleo foi um dado publicado durante a madrugada na China. O crescimento da base monetária chinesa perdeu força em março e levantou receios de que a demanda por energia do país possa diminuir. Além disso, nesta noite a China publica uma série de indicadores importantes, como Produto Interno Bruto (PIB), vendas no varejo e produção industrial.

Os investidores também evitaram grandes apostas antes da divulgação dos números do API sobre os estoques de petróleo nos EUA, previstos para as 17h30 (de Brasília).

O petróleo para maio negociado na Nymex caiu US$ 0,30 (0,29%), para US$ 103,75 por barril. O brent para maio - que venceu após o fechamento - recuou US$ 0,33 (0,30%), para US$ 108,74 por barril, na ICE. O contrato do brent para junho, que passa a ser o mais negociado, subiu US$ 0,29 (0,30%), para US$ 109,36 por barril. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.