Petróleo cede, mas mercado continua atento ao Irã

Os preços do petróleo no mercado futuro internacional estão em queda esta manhã, pressionados por vendas especulativas após os fortes ganhos recentes. No entanto, as perdas devem ser limitadas pelos desdobramentos no episódio envolvendo a captura de marinheiros britânicos pelo Irã, assim como a interrupção, ontem, das operações em uma refinaria nos EUA. Apesar disso, segundo operadores, uma nova alta é possível antes da divulgação dos dados dos estoques nos EUA amanhã, prevendo resistência em US$ 65 por barril para o Brent negociado na ICE, em Londres, e em US$ 64 por barril para o WTI na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). O Irã tem dado poucos sinais de que poderá libertar os 15 marinheiros britânicos que capturou na sexta-feira passada. Embora poucos no mercado de petróleo acreditem que o conflito possa culminar em uma ação militar, a tensão tende a se prolongar. Essa expectativa é apoiada pelas notícias de que autoridades iranianas permitirão que diplomatas britânicos vejam os marinheiros apenas após o fim de suas investigações sobre se a suposta entrada em águas iranianas foi "intencional ou não". O Irã alega que os marinheiros foram capturados em águas iranianas, enquanto o Reino Unido afirma que a captura aconteceu em águas iraquianas. "Esse foi o primeiro sinal de indulgência que nós vimos e retirou alguns centavos dos preços do petróleo, mas o impasse ainda não acabou", disse um operador. Se os marinheiros forem libertados, o mercado deve devolver cerca de US$ 1 dos ganhos registrados nas últimas sessões, mas o incidente já teve como resultado aumentar as preocupações sobre as intenções de longo prazo iranianas. No entanto, o Irã não é o único fator com potencial de sustentação do petróleo. Ontem, os futuros de gasolina registraram uma forte alta com a notícia do fechamento da refinaria da BP em Whiting, Indiana (EUA), após um incêndio. Além disso, os preços da gasolina podem ganhar novo estímulo se os estoques do combustível recuarem novamente nos dados que serão divulgados amanhã pelo Departamento de Energia americano. Analistas entrevistados pela Dow Jones acreditam que os estoques de gasolina devem cair 1,8 milhão de barris. Às 9h16 (de Brasília), os contratos do petróleo WTI para maio negociados no pregão eletrônico da Nymex caíam 0,70% para US$ 62,47 por barril. Os contratos da gasolina RBOB para maio na Nymex perdiam 0,64%, para US$ 1,9775 por galão. Na plataforma de negociações eletrônica ICE, em Londres, os contratos do petróleo Brent com vencimento em maio caíam 0,26%, para US$ 64,24 por barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.