Petróleo de outubro cai abaixo de US$ 66 em Nova York

Os preços futuros do petróleo abriram em forte baixa, com o contrato de outubro negociado na plataforma ICE, de Londres, atingindo mínima em cinco meses e meio. A diminuição das preocupações com o programa de enriquecimento de urânio do Irã e as expectativas de que a Opep irá manter sua produção inalterada no encontro de hoje estão por trás do movimento. Operadores observam que a pressão é causada também por uma nova onda de liquidação de posições compradas. "Os investidores perceberam que a correção será profunda e procuram sair fora de posições compradas enquanto podem", disse um operador. Às 8h21 (de Brasília), o contrato de vencimento em outubro negociado no pregão eletrônico da Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York) recuava 1,46%, para US$ 65,28 o barril, depois de atingir a mínima em US$ 65,22 o barril. Segundo especialistas, embora o mercado pareça excessivamente vendido, pedindo correção em alta dos preços, o rompimento de uma série de suportes leva a crer que os analistas não descartam novas quedas. Um diplomata europeu que acompanhou o encontro ontem entre representantes das Nações Unidas e do Irã disse que o país teria concordado em suspender o enriquecimento de urânio, pelo menos temporariamente. Paralelamente, Gregory L. Schulte, chefe da delegação da Agência Internacional de Energia Atômica, elogiou hoje os progressos obtidos no encontro, mas acrescentou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas ainda pretende dar andamento as sanções se Teerã não congelar o programa. Alguns no mercado defendem que o Irã pode novamente estar blefando, para ganhar tempo. Por enquanto, os investidores dão pouca atenção ao noticiário meteorológico, segundo o qual a tempestade tropical Florence foi elevada à categoria de furacão. Os meteorologistas prevêem que o furacão irá atingir a região das Bermudas, com pouco risco de passar pelas instalações de petróleo no Golfo do México. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2006 | 08h24

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.