Petróleo derruba bolsas asiáticas; HK perde 1,7%

A queda na cotação do petróleo nos mercados internacionais derrubou as bolsas asiáticas, com exceção da China, onde a diminuição no preço da commodity ajudou as ações das empresas de transporte. Na Bolsa de Hong Kong, contudo, o índice Hang Seng encerrou o pregão com perda de 1,7% (terceira queda consecutiva), fechando em 19.568,34 pontos, devido principalmente ao declínio das financeiras listadas na China e em Hong Kong. A realização de lucros foi o motivo da queda dos papéis das financeiras chinesas, especialmente as do segmento de seguros. A maior dela, China Life Insurance, tombou 6,8% em Hong Kong. Mas a mesma companhia obteve ganho de 1,4% na China, depois de quase dobrar de valor em seu lançamento inicial na bolsa chinesa terça-feira. Ping An Insurance também caiu: 4,3%. Bancos chineses igualmente terminaram a sessão em baixa: o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, na sigla em inglês), perdeu 1,1%; e China Construction Bank, caiu 0,9%. Empresas imobiliárias também registraram perdas. Sino Land caiu 3,7%; e Sun Hung Kai Properties, 2,3%. A valorização das ações do setor de transporte, em conseqüência da queda do petróleo, ajudou a levar o índice Xangai Composto da Bolsa de Xangai, na China, ao segundo recorde consecutivo no total de pontos, com alta de 0,6%. O Shenzhen Composto subiu 2,7%. As ações tipo A da Air China subiram 1,4%, enquanto as da China Southern Airlines ganharam 5,1%. Os papéis da empresa de ônibus e táxi Shanghai Qianshen Holding se valorizaram 7,9%. A expectativa de aumento na receita das corretoras fez com que as ações da Citic Securities atingissem o limite diário de alta, de 10%. Os papéis da Hong Yuan Securities ganharam 7,9%. O yuan se desvalorizou frente ao dólar, refletindo a alta da moeda norte-americana em relação ao euro e ao iene. A retração foi limitada, porém, pelo crescimento da demanda por yuans, em um movimento típico da aproximação do feriado de Ano Novo na China (de 18 a 24 de fevereiro). No sistema automático de preços, às 5h15 (hora de Brasília), o dólar valia 7,8075 yuans, contra 7,8041 yuans no fechamento de ontem. Na Bolsa de Taipei, em Taiwan, a queda do índice Taiwan Weighted foi de 1,2%, com destaque para as ações do setor financeiro, que ainda repercutem as preocupações em torno da crise no conglomerado Rebar Group. TSMC caiu 2,7%, Mega Financial Holding declinou 1,9% e China Steel recuou 2,1%. Alguns papéis do setor de tecnologia, porém, foram beneficiados pelo lançamento do iPhone, da Apple. A fabricante de lentes de câmeras fotográficas Largan Precision teve alta de 1,1% e a Catcher, que produz um estojo para máquinas digitais, disparou 5,2%. Na Bolsa de Seul, na Coréia do Sul, o índice Kospi baixou 1,4%, puxado pelas empresas de tecnologia, em meio a um grande volume de vendas programadas e à redução das expectativas de lucro das empresas no quarto trimestre do ano passado, particularmente no setor de tecnologia. As perdas podem aumentar amanhã, dia de vencimento de opções. Samsung Electronics recuou 1,4% e Kookmin Bank registrou queda de 0,6%. A Bolsa de Sydney, na Austrália, teve mais um dia de volatilidade, com forte queda nas ações de mineradoras, seguida por uma retração nas chamadas ações defensivas. O índice S&P/ASX 200 declinou 1,2%. BHP Billiton caiu 2,8% e Rio Tinto se desvalorizou em 2,2%. Os papéis da Zinifex desabaram 5,5%, em reação à queda, com o mesmo porcentual, da cotação do zinco na Bolsa de Metais de Londres. Nas Filipinas, o índice PSE Composto da Bolsa de Manila apontou queda de 0,7%, prejudicado também pelo desempenho dos ADR´s da Philippine Long Distance Telephone (PLDT), que se desvalorizaram em 2,5%. Liderando a baixa, SM Prime registrou perda de 4,3%, Ayala Corp. recuou 1,8% e Metrobank baixou 1,9%. Na Indonésia, o índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta caiu 4%, aos 1.710,35 pontos, devido às vendas de investidores estrangeiros para assegurar seus ganhos por conta do crescimento de 54% da bolsa indonésia no ano passado. Também incentivaram esses investidores a realizar lucros as quedas nos mercados asiáticos e a decisão do governo tailandês de limitar a participação do capital estrangeiro em determinados setores econômicos. A gigante de telecomunicações Telkom caiu 2,5%. o banco Mandiri perdeu 4,7%, Bank Central Asia (BCA) recuou 5,8% e Gas Negara teve baixa de 5,2%. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips fechou em queda de 0,52% e, em Cingapura, o Strait Times percdeu 1,57% no encerramento dos negócios. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.