Petróleo devolve alta após fala de ministro da Opep

Os contratos futuros de petróleo falharam em subir acima de US$ 60,00 por barril e os preços caíram brevemente abaixo de US$ 59,00 por barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), depois de um informe com o ministro de petróleo da Nigéria dizendo que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) provavelmente vai manter a política de produção inalterada no encontro ministerial de março, se os preços se sustentarem, segundo analistas. "No encontro de março, se as coisas permanecerem da forma que estão agora, com alguma leve melhora (nos preços), devemos simplesmente manter o corte... Eu não acho que iremos reduzir (a oferta) novamente tão cedo", disse o ministro da Nigéria, Edmund Daukory. Mais cedo, os futuros de petróleo negociados na Nymex chegaram a subir até US$ 59,95 por barril na máxima intraday (registrada durante o dia), com a baixas temperaturas na região nordeste dos Estados Unidos continuando a impulsionar a demanda por óleo para aquecimento. "Estamos vendo vendas técnicas, depois de termos tentado furar os US$ 60,00 (por barril)", mas sem sucesso, disse Aaron Kildow, da Prudential Financial em Nova York. Kildow disse que os comentários de Daukoru estão pesando sobre os preços, mas "entre a temperatura e a Opep (iniciando a segunda rodada de cortes este mês), eu penso que as pessoas estão buscando comprar nas baixas". De fato, depois de registrarem a mínima intraday de US$ 58,85 por barril na Nymex, os futuros de petróleo voltaram a subir acima de US$ 59,00 por barril, mas se mantendo perto dos níveis do dia anterior, alternando uma leve alta com uma ligeira baixa. Às 16h06 (de Brasília), no pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para março estavam a US$ 59,48 por barril, alta de 0,78%. No pregão eletrônico Globex/Nymex, os contratos de petróleo para março estavam a US$ 59,47 por barril, alta de 0,76%) No mesmo horário em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para março estavam a US$ 58,70 por barril, com ganho de 0,60%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.