Petróleo devolve parte dos ganhos e fecha em leve alta

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve alta em Nova York e ficaram quase estáveis em Londres, depois de perderem os ganhos iniciais diante da falta de progresso da depressão tropical no Caribe se fortalecer para uma tempestade, segundo analistas. "Não recebemos nenhuma notícia para manter os preços para cima" durante a sessão, disse o vice-presidente sênior da corretora Man Financial em Nova York, Mary Haskins. "O petróleo subiu baseado nos rumores iniciais de tempestade, mas não puderam se sustentar sozinhos e quando caímos abaixo de US$ 73,40 a US$ 73,50 os preços perderam suporte", acrescentou. O Centro Nacional de Furacão dos EUA (NHC) informou mais cedo que a depressão tropical poderia se tornar a tempestade tropical Ernesto até o final do dia - o que acabou ocorrendo depois do fechamento do mercado. Os preços também ganharam impulso mais cedo por causa dos informes das companhias de meteorologia privadas Planalytics e WxRisk.com de que a tempestade provavelmente vai se tornar um furacão na próxima semana, conforme se move para o Golfo do México. Contudo, as previsões sobre o provável percurso e intensidade variam e algumas condições ambientais hostis no lado ocidental do Caribe poderão enfraquecer o sistema, disse a Planalytics. Operadores disseram que também pesaram sobre os preços do petróleo os sinais adicionais de que o impasse sobre o programa nuclear do Irã provavelmente vai se prolongar e que não há uma ameaça imediata para as exportações de petróleo do Golfo Pérsico. Na Nymex, os contratos de petróleo para outubro fecharam a US$ 72,51 o barril, alta de US$ 0,15 (0,21%); a mínima foi de US$ 72,45 e a máxima de US$ 73,75. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 72,70 o barril, queda de US$ 0,02. A mínima foi de US$ 72,57 e a máxima de US$ 74,09.

Agencia Estado,

25 de agosto de 2006 | 17h51

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.