Petróleo diminui alta com reabertura de oleoduto

Os contratos futuros de petróleo devolveram os ganhos do dia e chegaram a cair brevemente em território negativo em Londres e Nova York, depois da TEPPCO Partners LT ter anunciado o reinício do bombeamento de produtos refinados no oleoduto que liga a Costa do Golfo a Nova York, que estava fechado em virtude de um vazamento. Contudo, depois de registrarem as mínimas do dia, os futuros de petróleo se recuperaram e voltaram a registrar um ganho modesto. Os futuros de gasolina deram início ao movimento de baixa, com o combustível reagindo à reabertura do oleoduto, que tem capacidade de transporte de 60 mil barris/dia de produtos refinados e vinha dando suporte aos preços do petróleo e da gasolina. "As notícias do oleoduto deram início ao movimento de baixa, que ganhou impulso com o que parece ser alguma realização de lucro" depois dos ganhos dos futuros de petróleo das duas sessões anteriores, disse o analista Phil Flynn, da Alaron Trading Corp em Chicago. Às 16h21 (de Brasília), no pregão viva-voz da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para abril subiam US$ 0,20, ou 0,33%, para US$ 61,15 por barril, de uma mínima no dia de US$ 60,55 e uma máxima de US$ 61,80. No mesmo horário em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para abril estavam a US$ 60,78 por barril, em alta de US$ 0,16, ou 0,26%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.