Petróleo encerra com ganho após dados de estoques

Os contratos futuros de petróleo fecharam no nível mais alto das últimas quatro semanas na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). O mercado reagiu ao informe sobre o nível dos estoques norte-americanos de destilados (que incluem óleo combustível para calefação), em meio a previsões de que as temperaturas continuarão baixas nos EUA. Segundo a Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA), as temperaturas continuarão abaixo do normal até meados de fevereiro na região Nordeste dos EUA, que responde por 80% da demanda por óleo combustível. Ao mesmo tempo, o Departamento de Energia (DoE) informou que os estoques de destilados sofreram uma redução de 2,6 milhões de barris na semana passada. "As pessoas estão focalizando sua atenção nos destilados e já estão olhando para a próxima semana, quando provavelmente a redução dos estoques será ainda maior. Os fundos venderam no começo de janeiro, achando que o inverno não chegaria, e agora estamos começando a ver uma mudança na psicologia do mercado", comentou o analista Phil Flynn, da Alaron Trading. Outro possível fator para a alta dos preços é o fato de que o acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir sua produção em 500 mil barris por dia entra em vigor nesta quinta-feira. Embora a maioria dos analistas acredite que os países-membros do cartel não cumprirão totalmente com o corte, ainda assim ele deverá ter impacto no mercado. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para março fecharam a US$ 58,14 por barril, em alta de US$ 1,17, ou 2,05%; a mínima foi em US$ 55,75 e a máxima em US$ 58,20. Na Intercontinental Exchange (ICE, de Londres), os contratos do petróleo Brent para março fecharam a US$ 57,40, em alta de US$ 1,01, ou 1,79%, com mínima em US$ 55,16 e máxima em US$ 57,55. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.