Petróleo encerra em alta com ajuda da gasolina

O petróleo voltou a fechar em alta em Nova York, acumulando ganhos por seis sessões consecutivas, diante da diminuição dos temores de ameaça ao crescimento da demanda da China, segundo operadores e analistas. Os futuros de gasolina RBOB lideraram os ganhos do complexo de energia, no vencimento dos contratos para março, impulsionados pelas notícias de problemas técnicos em refinarias norte-americanas e demanda sazonal recorde. Os contratos futuros de petróleo haviam fechado em alta na terça-feira, mas depois caíram mais de US$ 1,00 por barril nas transações eletrônicas do after-hours (período posterior ao pregão regular) refletindo as preocupações de que a queda de 8,8% da Bolsa de Xangai poderia marcar uma desaceleração da demanda por petróleo da China. Apesar da recuperação da bolsa chinesa hoje, os futuros de petróleo abriram a sessão em baixa, mas recuperaram terreno conforme avançava o dia. "Alguns operadores estavam nervosos de que poderíamos estar caminhando para uma queda livre e vieram com um viés de baixa, mas isso agiu como uma mola" e ajudou a dar impulso de alta aos preços à tarde quando os temores diminuíram, disse o vice-presidente da Vantage Trading em Nova York, Peter Donovan. Os futuros de gasolina RBOB receberam impulso dos informes de um vazamento de propano na refinaria Deer Park - de propriedade da Royal Dutch Shell e da Petróleos Mexicanos -, no Texas. A Shell Deer Park Refining Co. está trabalhando para conter o pequeno vazamento que começou no início da manhã, segundo reportou a TV local. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de gasolina RBOB para março fecharam a US$ 1,8476 por galão, em alta de 315 pontos, ou 1,73%. No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para abril fecharam a US$ 61,79 por barril, em alta de US$ 0,33, ou 0,54%. A mínima foi de US$ 59,92 e a máxima de US$ 62,10. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para abril fecharam a US$ 61,89 por barril, em alta de US$ 0,53, ou 0,86%. A mínima foi de US$ 60,24 e a máxima de US$ 62,16. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.