Petróleo encerra em alta com ameaça de tempestade

Os contratos futuros de petróleo subiram em Londres e Nova York em meio a um fraco volume negociado, com informes de atividade de tempestades no Caribe aumentando as perspectivas de risco de furacão no lado da oferta, segundo analistas. "O potencial de tempestade está dando um suporte aos preços", disse Peter Donovan, vice-presidente da Vantage Trading em Nova York. "Está muito, muito quieto, embora o volume negociado esteja muito baixo", acrescentou. Meteorologistas disseram que uma onda tropical na costa das ilhas Windward, no Caribe, pode se desenvolver para uma depressão ou tempestade tropical. Especialistas da WxRisk.com disseram que há possibilidade da tempestade ameaçar as refinarias que se concentram no lado ocidental do Golfo do México num período de cerca de uma semana. Os preços dos futuros de petróleo também continuam recebendo suporte da dura disputa entre o Irã e a ONU, com relação à recusa do governo de Teerã de suspender seu programa nuclear. O Conselho de Segurança da ONU deu ao Irã, o segundo maior exportador de petróleo do Golfo Pérsico, até o final do mês para suspender seu programa de enriquecimento de urânio ou o país terá de enfrentar sanções. Apesar da recusa do Irã de se curvar às exigências, analistas argumentam que é improvável que a ONU anuncie duras sanções contra o país no curto prazo por causa da relutância da China e da Rússia, que são membros permanentes do Conselho de Segurança e são importantes parceiros comerciais do Irã. Na Nymex, os contratos de petróleo para outubro fecharam a US$ 72,36 o barril, alta de US$ 0,60 (0,84%). A mínima foi de US$ 71,40 e a máxima de US$ 72,50. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 72,68 o barril, alta de US$ 0,66. A mínima foi de US$ 71,73 e a máxima de US$ 72,93. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2006 | 17h08

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.