Petróleo encerra em alta e gasolina recua

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) registraram ganho nesta terça-feira. Já os contratos de gasolina, que na véspera tiveram forte alta, recuaram nesta sessão por temores com a queda no consumo do combustível.

PRISCILA ARONE, Agencia Estado

30 Outubro 2012 | 19h13

Os contratos futuros de gasolina para dezembro, negociados na Nymex, fecharam a US$ 2,729 o galão, queda de US$ 0,028, ou 1%. O contrato futuro de petróleo para dezembro subiu US$ 0,14 (0,16%), encerraram a US$ 85,68 no pregão eletrônico. Na plataforma ICE, os contratos do Brent caíram US$ 0,36 (0,3%), terminando a US$ 109,08 o barril.

Os negócios foram uma reversão dos acontecimentos do dia anterior, quando o mercado apostou na alta da gasolina, antecipando-se a potenciais danos às refinarias do nordeste dos Estados Unidos, mas baixou o preço do petróleo, em razão da demanda reduzida das refinarias.

Nesta sessão, os analistas disseram que a maior preocupação foi com a queda do consumo do combustível por causa dos efeitos do furacão Sandy numa ampla região dos EUA. "Preocupações com a demanda definitivamente serão um problema", disse Carl Larry, presidente da empresa de consultoria Oil Outlooks.

Os analistas disseram também que a queda nos preços da gasolina são um sinal de que o mercado acredita que as refinarias da costa leste - que fecharam ou reduziram sua produção - não sofreram danos significativos com a passagem do furacão.

Mais cedo, a Philadelphia Energy Solutions informou que começou a retomar as operações em sua refinaria na Filadélfia, enquanto a PBF Energy disse que "a ênfase é retornar às operações de rotina".

Para Larry, a alta dos preços do petróleo reflete a demanda maior pela commodity do Centro-Oeste e da Costa do Golfo do México por causa da necessidade das refinarias destas regiões de compensar a perda de produção no Nordeste, devido às interrupções nas refinarias da região. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
petróleo fechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.