Petróleo fecha abaixo de US$ 100 o barril

Conratos devolveram  os ganhos da véspera por conta das dúvidas em relação à capacidade da economia de digerir preços tão altos para a commodity

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

17 de novembro de 2011 | 19h23

Os contratos futuros de petróleo voltaram para um valor abaixo de US$ 100 o barril, devolvendo os ganhos da véspera em meio a dúvidas quanto à capacidade da economia de digerir preços tão altos para a commodity.

O petróleo para entrega em dezembro fechou em queda de US$ 3,77 (3,67%), a US$ 98,82 por barril na bolsa mercantil de Nova York (Nymex). O contrato dezembro deixará de ser negociado ao término da sessão de amanhã. Com isso, o petróleo para entrega em janeiro foi o mais negociado hoje na Nymex e cedeu US$ 3,67 (3,58%), terminando em US$ 98,93 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o Brent para janeiro recuou US$ 3,66 (3,27%), fechando em US$ 108,22 por barril.

Os futuros na Nymex caíram em meio a uma onda de vendas, com traders pensando duas vezes com relação à sustentabilidade do barril acima de US$ 100 em meio à atual situação da economia global. A queda das ações em Nova York e a intensificação dos temores em relação à crise da dívida na Europa tiraram o fôlego da onda de alta que dominou o mercado de petróleo no decorrer das últimas semanas.

"O preço do petróleo acima de US$ 100 o barril é de difícil sustentação em uma época de fraca demanda e aumento da produção", avaliou Tim Evans, analista de energia da Citi Futures Perspective. Antes da queda de hoje, o barril do petróleo havia subido 32% desde o início de outubro, ajudado por sinais de melhora na economia dos Estados Unidos e medidas que atenuaram a crise da dívida soberana na Europa. "Agora não temos um motivo real para continuar indo para cima", comentou Tony Rosado, corretor da GA Global Markets. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoNymexEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.