Petróleo fecha com ganho após dados de refinarias

Os contratos futuros de petróleo subiram aos níveis mais altos das últimas semanas, revertendo a queda verificada pela manhã. Os preços haviam caído em reação ao informe do Departamento de Energia (DoE) de que os estoques norte-americanos de petróleo bruto, gasolina e destilados cresceram na semana passada. Mais tarde, os preços passaram a subir porque os operadores passaram a levar em conta os informes de que a taxa de utilização da capacidade instalada das refinarias norte-americanas caiu e de que as importações de petróleo bruto também se reduziram. O mercado também reagiu ao informe de que a ConocoPhillips foi orientada a reduzir sua produção em alguns países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) onde ela opera. "Os dados do DoE não eram negativos para os preços; a queda na taxa de utilização da capacidade das refinarias significa que provavelmente teremos uma redução nos estoques de derivados nas próximas semanas. O informe da ConocoPhillips é mais um sinal de que a Opep está começando a cumprir com os cortes de produção anunciados no fim do ano passado", comentou o analista Phil Flynn, da Alaron Trading. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo bruto para março fecharam a US$ 55,37 por barril, em alta de US$ 0,33, ou 0,60%; a mínima foi em US$ 53,66 e a máxima em US$ 55,45. Na Intercontinental Exchange (ICE, de Londres), os contratos do petróleo Brent para março fecharam a US$ 55,48 por barril, em alta de US$ 0,38, ou 0,69%, com mínima em US$ 53,88 e máxima em US$ 55,53. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.